Federação britânica nega irregularidade em parceria de Mo Farah com Salazar

A Federação Britânica de Atletismo revelou nesta quinta-feira que não encontrou qualquer indício de irregularidade no trabalho de Mo Farah com o técnico Alberto Salazar, acusado de estimular o doping entre seus atletas.

Estadão Conteúdo

30 de julho de 2015 | 11h20

A entidade passou a investigar a parceria entre o corredor britânico, atual campeão olímpico dos 5.000m e dos 10.000m, e o treinador desde que foi divulgada reportagem que levanta suspeitas sobre sua conduta.

De acordo com documentário da BBC, em conjunto com a associação de jornalismo ProPublica, Salazar teria fornecido substâncias dopantes ao norte-americano Galen Rupp, em 2002, quando ele tinha 16 anos. Rupp ganhou a prata nos 10.000m em Londres, perdendo apenas de Farah. Tal crime é passível de banimento do esporte.

Preocupada com a denúncia, a federação britânica iniciou investigação para saber se poderia haver qualquer suspeita contra Mo Farah, um dos seus principais atletas. A conclusão é de que não indícios de irregularidade por parte do atleta. "Podemos confirmar que nenhuma das informações fornecidas pela investigação contém qualquer evidência de impropriedade por parte de Mo Farah.

Nascido em Cuba mas tricampeão da Maratona de Nova York defendendo os Estados Unidos, Salazar tem trabalhado como consultor da federação britânica desde 2013. E nega todas as acusações levantadas pela reportagem divulgada no mês passado.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoMo Farahinvestigaçãodoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.