Federer adia sonho de Nadal e leva o Masters

Suíço tem atuação de gala e bate, em Londres, o espanhol, que buscava seu primeiro troféu no torneio dos campeões

, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2010 | 00h00

Ontem foi um daqueles dias em que parecia ser impossível para qualquer tenista do mundo vencer o suíço Roger Federer. Seus saques foram perfeitos, os voleios quase sempre indefensáveis. Fica assim explicada a vitória, até cômoda, do suíço sobre Rafael Nadal, o número 1 do mundo, por 2 a 1 (6/3, 3/6 e 6/1), em 1h37, na grande final do Masters de Londres, torneio que reúne na capital inglesa os oito melhores tenistas da temporada.

A partida, que foi angustiadamente aguardada durante as últimas 24 horas, quando os dois finalistas do torneio foram conhecidos, teve um nível altíssimo, com jogadas espetaculares que fizeram com que o público presente acabasse às vezes torcendo pelos dois tenistas ao mesmo tempo. Mas, antes mesmo de o jogo começar, a magia já estava no ar. Os dois oponentes foram recebidos na quadra central da Arena O2 como autênticos heróis de outra galáxia. Os dois tenistas surgiram caminhando por uma neblina branca e sob um facho de luz azul.

Essa foi o quinta vez que Federer venceu o torneio londrino, enquanto seu oponente lutava para ganhá-lo pela primeira vez, para coroar, assim, uma excelente temporada (venceu Roland Garros, Wimbledon e US Open e outros quatro torneios). Mais: com a vitória, o tenista suíço fecha em grande estilo uma temporada estranhamente pouco produtiva para seu currículo (venceu neste ano "apenas" o Grand Slam da Austrália e mais três torneios de porte menor).

Ontem, porém o dia era mesmo de Federer. Nadal tentou de tudo, chegando a usar e abusar de seus famosos backhands, mas até mesmo nessa jogada o suíço esteve impecável. Ainda assim, Nadal foi um guerreiro exemplar. Lutou muito, principalmente no primeiro set, em que perdeu por 6 a 3, e no segundo, em que venceu pelo mesmo placar.

No primeiro set, os dois adversários trocaram saques e ficaram empatados até o oitavo game. Foi quando o suíço, que havia evitado a quebra do oponente no game anterior, conseguiu derrubar o serviço de Nadal por causa de uma dupla falta e chegou aos 5/3. Depois, com calma, administrou a ansiedade e fechou em 6 a 3.

Já no segundo set, Nadal voltou bem mais agressivo, variando bastante as jogadas e não deixando que o adversário subisse à rede. Dessa maneira, o espanhol quebrou o serviço de Federer no quarto game e fez 3 a 1. Foi a vez então de o espanhol administrar o jogo, trocando games até fechar o set por 6/3.

Mas no último e decisivo set, Nadal simplesmente não conseguiu mais segurar o volume de jogo do adversário e, com isso, suas chances de alcançar a vitória foram se reduzindo a cada saque do oponente. O placar de 6/a 1 para o suíço mostra com exatidão o que foi o set.

Se a esquerda de Nadal esteve insuperável no segundo set, no terceiro foi a vez de a direita de Federer se mostrar impecável. O espanhol até que tentou muito, mas não conseguiu encontrar uma forma de equilibrar o duelo. Principalmente no último set, quando Nadal ainda teve seu saque quebrado no sexto game. O suíço não vacilou. Com um saque indefensável, fechou a partida e comemorou seu quinto título do torneio dos campeões, igualando um recorde que pertencia ao checo Ivan Lendl e ao norte-americano Pete Sampras,

"Não acredito que Nadal tenha perdido por cansaço", disse Federer logo após a partida. "Até porque o final de temporada é mais ou menos igual para todos. Venci apenas por jogar melhor."

Com o resultado de ontem, Federer reduziu a vantagem de vitórias de Nadal nos duelo entre os dois. Agora, em 22 partidas disputadas contra o espanhol, o suíço tem oito vitórias contra 14 do atual número 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.