Federer arrasa Blake e fecha ano com título em Xangai

O suíço Roger Federer fechou com chave de ouro o melhor ano de sua espetacular carreira no tênis. Ele conquistou o título da Masters Cup de Xangai, o 45.º do currículo, ao derrotar o norte-americano James Blake por 3 a 0 (6/0, 6/3 e 6/4), em pouco mais de uma hora e meia de partida, e fechou a temporada com 12 títulos e 4 vice-campeonatos em 17 torneios disputados.Foi sua 92.ª vitória no ano em 97 partidas jogadas - as cinco derrotas foram em quatro finais jogadas contra Rafael Nadal, no torneio de Dubai (cimento), nos Masters Series de Montecarlo e Roma e em Roland Garros (todos no saibro), além de uma tropeço contra o britânico Andy Murray na segunda rodada do Masters Series de Cincinatti. De lá para cá, são 29 vitórias consecutivas."É um fim perfeito para um ano inacreditável", disse o suíço, que bateu o recorde de premiação em uma só temporada: com as cinco vitórias em Xangai, no torneio que reuniu a nata do tênis, ele chegou a US$ 8,34 milhões (cerca de R$ 18,3 milhões) em prêmios obtidos apenas em 2006.Para o ano que vem, mais um recorde será superado por Federer: a marca de 160 semanas consecutivas no topo do ranking, que pertence ao norte-americano Jimmy Connors. O suíço, número 1 desde fevereiro de 2004, há 143 semanas, tem pontos suficientes para atingir esse feito, em março, sem que precise vencer mais nenhuma partida. "Vou deixar para comemorar quando isso acontecer", disse um modesto Federer.Em quadra, o suíço começou o jogo de forma arrasado e mal permitiu alguns pontos a Blake no primeiro set. Nas parciais seguintes, o norte-americano conseguiu até equilibrar a partida em alguns momentos, e chegou até mesmo a obter uma quebra no terceiro set, evitando a vitória de Federer quando o placar era de 5/2.Mas ele não teve forças para superar aquele que caminha para se consagrar como o melhor tenista de todos os tempos, e acumulou sua sexta derrota em seis jogos contra Federer. "Ele é inacreditável, não há adjetivos para defini-lo dentro da quadra", resignou-se o norte-americano, que deve fechar o ano em quarto lugar no ranking mundial.Atualizada às 10h45

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.