Federer derruba Nadal e encerra jejum de títulos

Suíço vence na casa do rival, conquista o Masters de Madri, levanta um troféu após mais de 7 meses e se diz confiante para Roland Garros

MADRI, O Estadao de S.Paulo

18 de maio de 2009 | 00h00

Roger Federer voltou a jogar como um grande campeão e calou a torcida espanhola. O genial suíço quebrou jejum de mais de sete meses sem conquista e ganhou o Masters de Madri, o 58º título de sua carreira. O troféu de ontem certamente terá lugar especial na sala. Não foi "apenas" mais uma vitória na final de um torneio de primeira linha. Foi um triunfo contra Rafael Nadal, que parecia imbatível no saibro. Ainda mais na casa do rival - no auge da forma e com o apoio do público.O número 2 do mundo derrotou o líder do ranking por 2 sets a 0 (duplo 6/4) e acabou com a sequência de vitórias do espanhol, que havia se dado melhor nos últimos cinco confrontos entre ambos. O retrospecto, no entanto, ainda é amplamente favorável ao tenista de Mallorca: 13 a 7. Nada que tire o otimismo de Federer para o grande objetivo da temporada: a busca por Roland Garros, único Grand Slam ausente em seu currículo."Demonstrei estar em condições de ganhar do Nadal, e foi importante derrotá-lo em Madri, ainda mais às vésperas de Roland Garros", comentou o astro suíço, eufórico. "Nadal é um muro, e claro que ainda é o favorito na França", prosseguiu. "Mas estou muito mais otimista agora e sei que posso vencer Roland Garros." Nadal caiu no saibro depois de 33 partidas de invencibilidade. E reconheceu ter sido inferior ao adversário. "Ele simplesmente foi bem melhor do que eu." O espanhol, é verdade, sentiu a batalha do dia anterior. No sábado, havia passado pelo sérvio Novak Djokovic por 2 a 1, em jogo de mais de quatro horas de duração. Parecia imortal, insuperável e se levantou mesmo nos momentos mais difíceis, quando teve três match points contra. O desgaste físico, no entanto, acabou lhe custando o título ontem. "É lógico que ficar em quadra por 4 horas contra Novak não me ajudou, mas faz parte do jogo."Federer levou vantagem na final e foi melhor desde o início. Conseguiu uma quebra no primeiro set e outra no segundo para fechar a partida sem grande suor. Os dois embarcarão para Paris, mais uma vez, como favoritos - o Aberto da França começa no domingo. O BRILHO DE SAFINADinara Safina também foi campeã em Madri. A russa número 1 confirmou o favoritismo e bateu a polonesa Caroline Wozniacki por 6/2 e 6/4, ontem. Foi sua 10ª vitória seguida no saibro e o 11º título da carreira. O QUE ELES DISSERAMRoger Federernúmero 2 do mundo"Demonstrei estar em condições de ganhar do Nadal. Nadal é um muro, e claro que ainda é o favorito na França, mas estou muito mais otimista agora e sei que posso vencer Roland Garros"Rafael Nadallíder do ranking mundial"Ele (Federer) simplesmente foi bem melhor do que eu"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.