Feldman dispara contra Fifa e Lula

Secretário municipal de Esportes diz que entidade não é transparente e ex-presidente cometeu ''bravata'' com Itaquerão

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2011 | 00h00

O secretário municipal de Esportes e Lazer de São Paulo, Walter Feldman, não economizou nas críticas quando foi indagado sobre a participação de São Paulo na Copa do Mundo de 2014. Os principais alvos da bronca foram a Fifa, acusada de não ser transparente, e o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, apontado por Feldman como autor de uma "bravata" pela forma como anunciou o futuro estádio do Corinthians, em Itaquera, como palco para a abertura.

Feldman responsabilizou a entidade pelo impasse na definição do estádio de abertura da Copa e pelo atraso no cronograma de organização da capital paulista. "A grande responsável por não termos Copa das Confederações em São Paulo é a Fifa, que demorou dois anos para dizer que o estádio do Morumbi não era possível, quando sabíamos já nas primeiras reuniões do Comitê da Copa que o Morumbi seria muito difícil de ser aprovado. Desde o primeiro momento a Fifa sabia que não iria aprovar", revelou. "Houve um movimento de risco do ex-presidente Lula, que, por ser corintiano, por querer fazer sua relação política com São Paulo num momento eleitoral, eu diria até uma bravata, anunciou Itaquera. O estádio será construído, mas sem um mínimo de planejamento."

O secretário, porém, avaliou que a cidade não terá prejuízo com as indefinições. "A Copa das Confederações tem um valor incomparavelmente menor em relação à Copa do Mundo", afirmou. No entanto, Feldman admitiu que o evento seria um teste relevante para a cidade. "Seria se fosse possível, não tenho a menor dúvida, seria um teste incomparável."

Feldman revelou que esteve na última edição da Copa das Confederações, em 2009, na África do Sul. Segundo ele, durante o evento os estádios não estavam prontos e a infraestrutura ainda não atendia às exigências da Fifa. "Na prática existe uma flexibilidade por parte da Fifa de compreender que este é um período de arrumação", comentou.

Vai sair. Embora o secretário admita que a cidade não deverá receber o evento que antecede a Copa do Mundo, o prefeito Gilberto Kassab se diz confiante na construção do estádio do Corinthians ainda para a Copa das Confederações. O prefeito definiu como "ansiedade" as cobranças do ministro dos Esportes, Orlando Silva, sobre o atraso no início das obras do estádio que deverá abrir a Copa de 2014.

"Nós brasileiros, faço isso como recomendação ao ministro, não fiquemos brigando entre nós. Temos uma tarefa estratégica e não temos experiência de planejamento de longo prazo, então temos de trazer a responsabilidade àqueles que são os verdadeiros responsáveis", disse.

Desentrosado. A importância da realização da Copa do Mundo em São Paulo e a consequente pressão que um evento dessa grandeza faz sobre a administração pública motivaram a prefeitura paulistana a criar a Secretaria Especial de Articulação para a Copa do Mundo de 2014.

Ontem, em cerimônia realizada no Hall Monumental do Edifício Matarazzo, o prefeito Gilberto Kassab empossou Gilmar Tadeu Ribeiro Alves à frente da nova pasta. O evento contou com a presença de secretários municipais, vereadores, deputados estaduais e lideranças do PC do B, partido ao qual Alves é filiado.

Logo em seu primeiro discurso, Alves contrariou a diretoria do Corinthians, que nas últimas semanas anunciou que não será possível entregar o Itaquerão a tempo para a disputa da Copa das Confederações, em 2013, e disse que ainda sonha com a competição. "Esse estádio é nossa única opção. Nosso objetivo é que ele esteja pronto já para a Copa das Confederações", afirmou o secretário.

Presente à cerimônia, o presidente do clube, Andrés Sanchez, preferiu ficar calado.

LÍNGUA AFIADA

WALTER FELDMAN

Secretário de Esportes e Lazer

"Houve movimento de risco de Lula, que, por uma bravata, anunciou Itaquera"

GILBERTO KASSAB

Prefeito de São Paulo

"Temos uma tarefa estratégica e não temos experiência de planejamento"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.