Felipão apoia Tite e pede pés no chão no Palmeiras para o clássico

'É triste saber que o Tite pode ser demitido se perder. A culpa não é só dele', afirma o técnico

AE, Agência Estado

04 de fevereiro de 2011 | 21h21

SÃO PAULO - Amigo pessoal de Tite e conhecendo na pele a pressão por resultados como treinador de futebol, Felipão surpreendeu nesta sexta-feira e, em entrevista coletiva após o treinamento da tarde na Academia de Futebol, afirmou que preferiria perder um clássico a carregar a culpa por uma possível demissão do treinador corintiano em caso de um resultado negativo no domingo.

"É triste saber que o Tite pode ser demitido se perder. A culpa não é só dele. Todo mundo tem culpa do que está acontecendo (a crise no Corinthians). Se me falassem que eu, ganhando, tiraria o Tite, eu prefiro perder esse jogo", revelou Scolari.

O clássico de domingo à tarde no Pacaembu não é importante apenas para Tite. Felipão comemorará, contra o Corinthians, uma marca história: 300 jogos no comando do Palmeiras.

"Nunca pensei, quando iniciei a carreira, em atingir uma marca dessa. Um treinador que saiu de Passo Fundo, interior do Rio Grande do Sul, entrar para a história de um clube do tamanho do Palmeiras é algo maravilhoso. É uma vitória pessoal e da família Scolari", relembrou o treinador, que está em sua segunda passagem pela equipe alviverde.

Líder isolado do Paulista com cinco vitórias seguidas, Felipão não está ainda satisfeito com o seu elenco, e pediu calma para a torcida. "Já avisei a diretoria que, com mais dois reforços, teremos um time para brigar de igual para igual com todo mundo. Temos de ter calma porque é o Paulista. Se a gente tiver todo esse nível em uma outra competição, aí sim pode-se dizer que a equipe está muito bem. Por enquanto, é preciso ter os pés no chão", analisou.

Para o clássico, Felipão terá a volta de Marcos Assunção, Kléber, Danilo e Marcos. Ele, porém, segue sem poder contar com Lincoln e Valdívia, que seguem fora de combate.

Tudo o que sabemos sobre:
FelipãoPalmeirasfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.