Felipão em crise? ''Isso é coisa de empresários''

Técnico diz que agentes de atletas espalham boatos de que sofre pressão no Chelsea

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

18 de dezembro de 2008 | 00h00

Há 162 dias, Luiz Felipe Scolari foi apresentado como técnico do Chelsea com o status de campeão do mundo com o Brasil e como grande trabalho na seleção de Portugal. Pois o primeiro turno do Campeonato Inglês nem terminou e, segundo reportagens dos jornais The Times e Daily Mirror, o treinador já é contestado pelos principais jogadores da equipe. Scolari mantém silêncio na Inglaterra, mas no Brasil, por intermédio de sua assessoria de imprensa, rebateu: "Isso é coisa de agentes." O técnico já teria identificado quem estaria querendo tumultuar o ambiente no clube. Em nota à imprensa, Felipão disse que se trata de "pessoas inescrupulosas de fora do clube, agindo em benefício próprio ou tentando auferir vantagens".As críticas dos jornais ingleses surgem em um momento em que o time ocupa o segundo lugar na Primeira Divisão, com 37 pontos, um apenas atrás do líder Liverpool e cinco à frente do Manchester United. O problema é que nos últimos cinco jogos no Stamford Bridge a equipe só venceu uma vez, empatou três e perdeu uma. Pela primeira fase da Copa dos Campeões, venceu os 3 jogos em casa.A gota d?água, segundo os diários ingleses, foi o empate em casa por 1 a 1 com o West Ham. Ballack foi substituído, no intervalo, enquanto Deco, que não jogou bem permaneceu até o fim. Essa não teria agradado a líderes da equipe como Terry e Lampard, que teriam também já pedido modificação no esquema de preparação física da equipe. Scolari admitiu falta de tempo para aprimorar o time, tanto na parte física como na técnica, porque há jogos seguidos. Na derrota por 2 a 1 para o Arsenal, também em casa, a entrada de Malouda e Stock nos lugares de Mikel e Deco, respectivamente, também foi alvo de críticas. Felipão nega qualquer tipo de interferência dos jogadores.Sempre segundo a imprensa londrina, a comunicação entre Felipão e os atletas estaria com problemas. Drogba, Anelka e Cole jogaram muito próximos contra o West Ham e não fizeram em campo o que foi pedido pelo treinador, "talvez por não entenderem as orientações", imagina o Times. Felipão, de novo, desmentiu tudo.Scolari sabe que em 2009 não terá reforços. O magnata russo Roman Abramovich, dono do Chelsea, anunciou que não vai investir um centavo, após perder, segundo a imprensa inglesa, mais de 2 bilhões (R$ 7 bilhões) com a crise mundial. Desde a chegada de Scolari, contratado com a incumbência de rejuvenescer o time, oito jogadores saíram e a folha de pagamento diminuiu em 15 milhões (R$ 52,5 milhões) por ano. Só o ucraniano Shevchenko ficava com 6 milhões (R$ 21 milhões). Para 2008/2009 a única contratação foi Deco, a pedido de Felipão, que também sonhou com Robinho, negociado pelo Real com o Manchester City.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.