Felipão faz da Sul-Americana vitrine para 2011

Técnico aposta que, se o Palmeiras conquistar o torneio, clube terá mais poder de negociação com atletas de primeira linha

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2010 | 00h00

Vencer a Copa Sul-Americana significa mais do que disputar a Libertadores em 2011: trata-se de argumento para convencer bons jogadores a fechar contrato. O Palmeiras vê nas próximas três semanas a chance de reforçar o time para 2011 e Luiz Felipe Scolari não quer deixar a chance passar - amanhã, o desafio é contra o Goiás, pela semifinal.

"É muito mais fácil contratar com a vaga na Libertadores, muitos atletas até se oferecem", disse o treinador. Ontem, ele se reuniu com o presidente interino Salvador Hugo Palaia para falar sobre 2011. E teve a garantia de que já pode ir atrás de reforços.

"Eu me encontro numa situação ruim, pois haverá eleições em janeiro. Até pedi para o "seu" Palaia, se eleito, mudar o estatuto do clube para a eleição ser em outubro. Se deixar para contratar em janeiro, não consigo ninguém", alertou. "Mas ele me disse que quem contrata é ele e falou: "Indique, vamos negociar, eu te dou condições"", contou.

Felipão foi o último treinador a levar o Palmeiras a uma semifinal de competição internacional, em 2001. Fez parte também da maior conquista do clube, a Libertadores de 1999. Com um currículo invejado por muitos, ele colocou na cabeça que pode se campeão da Sul-Americana. E tenta lembrar os jogadores, a todo momento, de que eles são capazes de levantar o troféu.

"Tenho a convicção de que posso (ser campeão) e passo isso para os jogadores", disse. "Tenho essa sensação, mas respeito os adversários. O grupo tem de ter a condição mental de que vamos chegar, ao menos, na final."

Mas é bom que o torcedor do Palmeiras não se iluda. Apesar de o Goiás estar na zona de rebaixamento no Brasileiro, o adversário de amanhã não deve poupar esforços na partida do Serra Dourada, ao contrário do que fez o Atlético-MG na fase anterior da competição continental.

O alerta vem justamente de Felipão, que imagina um Goiás completo, com todos os titulares em campo. "Eles devem ter só 3% de chances de escapar do rebaixamento no Brasileirão. Então, se eu estivesse do lado deles, concentraria tudo para obter uma classificação na Sul-Americana. Mas as dificuldades vão ser as mesmas, embora o Atlético (Mineiro) estivesse mais preocupado com o Brasileiro."

O Palmeiras retorna hoje para Goiânia, após levar 3 a 0 do Atlético-GO, domingo, no Serra Dourada. Valdivia é o desfalque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.