Felipão lava as mãos e médico ironiza Kleber

Vitória tranquila no clássico e volta ao grupo dos quatro melhores do Campeonato Brasileiro. Tudo isso não foi suficiente para evitar a polêmica no vestiário do Palmeiras. E o protagonista da confusão, mais uma vez, foi o atacante Kleber, que não esteve em campo nos 3 a 0 sobre o Santos.

Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2011 | 00h00

Isso porque, na véspera, o atacante não aceitou o parecer dos médicos do clube, que o liberaram para o clássico.

Kleber deixou a concentração e foi para um hospital, onde, por conta própria, decidiu fazer exame de ressonância magnética para provar que ainda está com o problema muscular na coxa esquerda que o impediu, nas últimas três rodadas, de entrar em campo.

O comportamento do atleta reforçou a suspeita no Palestra Itália de que ele possa estar evitando disputar sua sétima partida, o que impossibilitaria a transferência para equipe da Série A.

Não é segredo para ninguém que Kleber tem proposta do Flamengo (comenta-se que o clube carioca ofereceu o dobro do salário que ele recebe no Palmeiras), e que estaria usando tal interesse para pressionar a diretoria alviverde a lhe dar um aumento.

O técnico Luiz Felipe Scolari não escondeu o descontentamento com a situação. Em tom firme, o treinador passou o caso para a direção.

"Na sexta-feira fizemos um trabalho com 350 mil chutes a gol. E o Kleber reagiu muito bem", explicou o comandante palmeirense. "A não comparecência dele (Kleber) na concentração é assunto da diretoria. As medidas que tomei no caso do Tinga (afastamento) são as mesmas que vou tomar em relação ao Kleber."

Parecer mantido. Peça central na polêmica, o representante do departamento médico do Palmeiras, Otávio Vilhena, mantém o diagnóstico inicial. "Fizemos os exames que mostraram cicatrização. Ele treinou 90 minutos na sexta-feira e não reclamou", observou o médico.

Vilhena chegou a ironizar a situação. "Dissemos para ele que ele não tem um problema médico. E se tem outro problema, que vá resolver. É uma opção dele, que tem condição de jogar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.