Felipão nega dúvidas sobre time e defende continuidade

Com três vitórias consecutivas com equipe atual, torcida continua pedindo por Lucas

AE, Agência Estado

19 de junho de 2013 | 19h16

FORTALEZA - A seleção brasileira venceu o México por 2 a 0, chegou à sua terceira vitória seguida com o mesmo time, sem tomar gols, mas Luiz Felipe Scolari ainda não conseguiu agradar totalmente à torcida. Nesta quarta, na Arena Castelão, ele voltou a ouvir insistentes pedidos pela escalação de Lucas, que tem sempre entrado no segundo tempo.        

 

 Durante a entrevista coletiva pós-jogo, Felipão foi questionado se poderia aproveitar o jogo contra a Itália, sábado, em Salvador, para dizimar dúvidas. Mas o treinador recusou efusivamente a hipótese. Não que não possa escalar Lucas ou qualquer outro jogador, mas porque ele não tem qualquer dúvida de que a equipe que tem jogado é a melhor possível.     "Não tenho dúvida nenhuma. Se eu tivesse dúvida, não teria escalado o mesmo time. Me parece que a última vez que escalamos a mesma equipe do Brasil duas ou três vezes seguidas foi em 2007", assegurou Felipão, questionando o dado em seguida junto ao seu assessor de imprensa pessoal.        

Mas o treinador não recusa a hipótese de mexer pontualmente na equipe dependendo de como se desenhar a partida contra a Itália - os dois times podem entrar em campo já classificados. "Aí posso fazer sim, alguma modificação. Dependendo do que a Itália possa propor em campo", disse ele.        

 

 Felipão está feliz com o desempenho da equipe que venceu o Japão por 3 a 0 e o México por 2 a 0 - antes, na preparação, havia feito 3 a 0 na França. Até as preocupações com a recomposição defensiva da equipe estão menores. "Já estamos melhor treinados. Já estamos vendo coisas boas, com melhor saída de bola. Parece que demos uma crescida nestes itens de marcação e posicionamento. Não estou mais me preocupando tanto com isso."        

 

 O treinador foi todo elogios a Neymar, grande responsável pela vitória sobre o México, nesta tarde, no Castelão. "O Neymar, todos nós sabemos, é um dos nossos ídolos. Vem jogando assim há muito tempo e agora é a época de ele mostrar a qualidade que sempre demonstrou no Santos. A parte tática dele está bem evoluída", avaliou Scolari.        

 

Na análise de Felipão, o talento individual - visto nos dois gols sobre o México - tornam o futebol brasileiro especial. Para ele, a chave para o Brasil voltar a ser o melhor do mundo está na evolução tática. "Tecnicamente temos qualidade. Se nós igualarmos a qualidade tática dos nossos adversários europeus, nós temos equipes para não pensar em perder para ninguém", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.