Felipão: ''Pato não é craque''

Técnico está preocupado com o assédio sobre o jogador do Milan

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

03 de abril de 2008 | 00h00

O mundo do futebol celebra o início de carreira fulminante de Alexandre Pato. Mas um dos técnicos mais influentes da atualidade chama a atenção para o mal que a alta exposição pode causar no desenvolvimento do jogador do Milan, de 18 anos. ''Ele é muito bom jogador, mas ainda precisamos ver como serão suas reações quando tiver responsabilidades maiores dentro e fora de campo para ter certeza de que se trata de um craque'', disse o técnico da seleção de Portugal, Luiz Felipe Scolari. ''Está ótimo do jeito que está. Não se pode deixar enfeitar demais o caminho, pois acaba-se tropeçando.''Quando o assunto são os ''Ronaldos'' - Gaúcho e Fenômeno - Felipão mostra-se otimista. ''O Ronaldinho Gaúcho é um grande craque, mas está passando por problemas. Fiquei sabendo de detalhes por intermédio de algumas pessoas. Não convivo no Barcelona. Não sei como se reage em situação de treinos, horários, relacionamento com o técnico'', afirmou, sem querer externar o que sabe sobre a crise pela qual passa o camisa 10 do Barça. ''Ele tem todas as condições para estar entre os melhores do mundo ainda nos próximos três ou quatro anos.''Felipão disse que Ronaldo, o Fenômeno, vai surpreender mais uma vez. ''Acredito no Ronaldo. Ele já fez isso uma vez e voltará a fazer. Ronaldo ainda vai fazer muitos gols.'' Mas o treinador acha que o jogador do Milan vai precisar de ajuda para superar mais essa contusão. ''É preciso alguém para carregá-lo, estar ao lado dele nos momentos difíceis.''TECNOLOGIAFelipão concordou com a Fifa, que descartou a possibilidade do uso de um chip na bola para se saber se foi gol ou não. ''Não gosto que os computadores decidam tudo. Não confio muito nas pessoas que vão mexer neles. Setinha pra lá, setinha pra cá... Prefiro alguns erros dos juízes'', disse o treinador, que não confirmou os boatos de que poderá assumir a seleção mexicana após a Eurocopa. ''Só vou definir futuro após a Euro.'' Na seqüência Felipão deixou escapar que não deve mesmo seguir no comando de Portugal. ''É capaz de ter de deixar um dos filhos'', disse Felipão, referindo-se ao seu filho mais velho que trabalha em uma empresa de advocacia, em Lisboa.Felipão convoca no dia 12 de maio a seleção portuguesa, que vai enfrentar Suíça, Turquia e República Checa na primeira fase. ''Não temos um grupo tão experiente quanto o de 2004, mas, com confiança e motivação, poderemos chegar às finais.'' Há quatro anos, Portugal perdeu a decisão para a Grécia. Felipão viajou ontem para Portugal, após apresentar a equipe Officer Motorsport de Stock Car, que terá os pilotos Duda Pamplona e Nonô Figueiredo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.