Felipão vira trunfo para chegada de Richarlyson

Treinador conta com o volante para o próximo ano e pode intervir para que Arnaldo Tirone volte atrás e aceite contratá-lo

MARCIUS AZEVEDO, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2011 | 03h03

Pressionado pela torcida, o presidente Arnaldo Tirone disse que não quer contratar Richarlyson. Mas o jogador não descarta defender o Palmeiras na próxima temporada.

O volante confia na vontade do técnico Luiz Felipe Scolari de contar com ele no elenco para convencer Tirone.

Felipão já queria Richarlyson antes mesmo de ele acertar com o Atlético-MG. Os dois se encontraram por acaso em uma churrascaria que fica próxima do CT dos rivais, na Avenida Marques de São Vicente, na Barra Funda.

Naquela oportunidade, se conheceram por intermédio do preparador de goleiros Carlos Pracidelli, conversaram, mas o negócio emperrou porque Richarlyson preferiu não trocar o São Paulo, que havia defendido por cinco anos, por um rival. Agora, segundo o seu empresário, Júlio Fressato, ainda há chance de um acerto.

De acordo com ele, apesar de Tirone negar publicamente o interesse, Palmeiras e Atlético-MG continuam negociando - ele chegaria em uma troca pelo volante Pierre, que está fora dos planos de Felipão - e, por enquanto, o negócio não foi totalmente descartado.

"Os clubes ainda estão negociando. Não posso dizer que vai dar certo, mas não está descartado", afirmou Fressato.

Em relação aos torcedores do Palmeiras, Richarlyson está tranquilo. A bronca dos palmeirenses tem dois motivos: o primeiro é que, em 2005, ele chegou a realizar exames médicos no Palmeiras e foi para o São Paulo. O segundo, é que, em 2007, o ex-diretor José Cyrillo Júnior deu a entender, em uma entrevista à TV Bandeirantes, que o volante seria homossexual. Richarlyson decidiu mover um processo contra o ex-dirigente, mas o caso acabou arquivado.

"Tudo o que envolve o Richarlyson sempre cria polêmica, mas ele está tranquilo. Sabe lidar muito bem com isso, está acostumado", disse o empresário, que conversou com o seu cliente por telefone depois do ocorrido e espera o desfecho da negociação para então se reunir com o Palmeiras.

"O que posso dizer é que, se o Richarlyson for para o Palmeiras, o torcedor palmeirense vai ter um jogador com muita vontade e raça dentro de campo e que costuma honrar a camisa do time que defende, como aconteceu no São Paulo e no Atlético-MG", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.