Felipe hoje encara a revolta do Bahia

Goleiro do Corinthians disse que odeia rival, para o qual nunca perdeu

Fábio Hecico e Tiago Décimo, O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2008 | 00h00

Invicto, com 27 pontos conquistados em 33 possíveis e com 81,8% de aproveitamento. O Corinthians sobra na Série B e até agora vinha tendo vida fácil na competição. Vinha, porque o Bahia, adversário de hoje, às 16h10, no Pacaembu, está mordido com as declarações do goleiro Felipe e promete ?esquentar? o confronto e acabar com a ?tranqüilidade? do Alvinegro."Não sou muito fã do Bahia, não", disse o camisa 1 corintiano, na quinta-feira. "Desde criança, você gosta de alguns times e odeia outros, o Bahia é um dos que odeio", afirmou o goleiro, empolgado pela estréia contra o adversário com a camisa corintiana. "Sempre tive rivalidade enorme contra eles. Era cada briga, pesada, garrafada...", lembrou. "Uma vez joguei contra o Bahia no sábado, na decisão dos juniores e, no domingo, estava atuando pelo profissional. Queriam anular o jogo, ganhar o título no tapetão, e não conseguiram", se divertiu.As declarações mexeram com o brio dos baianos. A resposta veio prontamente. "Ele tem de respeitar um pouco mais um time com a história do Bahia", disparou o meia Elias, destaque da equipe. "Ele gosta é de aparecer", seguiu na bronca. "Não se podia esperar nada muito melhor do Felipe", detonou o técnico Arturzinho. Ele usará as declarações para motivar seu time, muito modificado por causa de cinco desfalques.Mas a missão é ingrata. Felipe provoca, mas tem motivos para isso. É pé-quente diante do Bahia. "Espero estar muito bem no jogo, fazer uma bela apresentação, junto com os companheiros e ganhar novamente deles", observou, apostando em seus números.Carioca de nascimento, mas criado para o futebol na base do Vitória (defendeu o Rubro-Negro por 10 anos), Felipe nunca perdeu do Bahia como titular em equipes profissionais. Foram cinco encontros, todos em 2005, no Ba-Vi. Três empates e uma goleada por 6 a 2 na conquista do Estadual e um 0 a 0 na Série B. A história de Felipe nos clássicos baianos é mais extensa. Profissionalizado em 2002, ele ficou na reserva em outras 11 partidas: seis triunfos, dois empates e três derrotas.O técnico Mano Menezes, porém, não gostou muito das declarações de seu goleiro. "No futebol não é legal criar clima de rivalidade ou jogar com raiva. Ódio não é bom, isso atrapalha, confunde o desempenho dentro de campo", disse Mano. "Espero que o Felipe esqueça um pouco as coisas do passado."O Corinthians não ganha do Bahia desde 1997. São quatro derrotas e dois empates. Nada que surpreenda ou tire o sono no Parque São Jorge. A confiança é grande em derrubar o tabu. "Uma hora o Bahia vai ter que pagar (perder) e espero que seja amanhã (hoje)", falou Mano, apostando no Pacaembu, onde venceu os cinco jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.