Felipe Melo se torna o melhor passador do time

Dados mostram volante entre os mais eficientes, com aproveitamento de 92,5%. Seu papel emcampo não permite erros

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

DURBAN

Ele é o principal passador da seleção brasileira e dos mais acionados da Copa, segundo estatísticas da Footstats. Como um médico na mesa de cirurgia, não lhe é permitido errar, pois, quando entrega num descuido a bola ao adversário causa enormes transtornos ao time. E, ainda que desprovido de refinada técnica, seu papel vem ganhando importância a cada jogo. Os números não mentem: jogam a favor de Felipe Melo.

O volante figura entre os melhores passadores. As estatísticas da Copa do Mundo até aqui apontam que Felipe Melo tem aproveitamento de 92,5% no passe, com 136 acertos em 147 tentativas nas três categorias do fundamento: passes curtos, médios e lançamentos.

Os números, porém, também mascaram os erros, poucos, cometidos pelo jogador. Antes de o Brasil abrir o placar contra a Costa do Marfim, Felipe Melo havia entregado duas bolas aos africanos, deixando o time exposto.

Ocorre que o setor do campo em que ele atua não permite falhas. A bola normalmente está em seu pé quando o time sai para o ataque e um erro quase sempre pega os zagueiros desprevenidos.

Felipe Melo sabe de suas limitações e tem procurado fazer o melhor. "Estou melhorando a cada dia que passa", diz ele, que teve participação em dois gols da seleção até agora. "Diante da Coreia, eu encontrei o Elano na jogada do gol do Maicon. Também iniciei o lance de um dos gols contra Costa do Marfim."

O camisa 5 tem também se controlando mais. Motivo de preocupação da comissão técnica pela atitude incisiva na marcação, Felipe Melo cometeu apenas duas faltas no Mundial, uma em cada partida. Contra Costa do Marfim, em jogo de 35 faltas, ele fez apenas uma. E sofreu duas. "Tenho entrado duro como sempre fiz. Forte, mas na bola", diz.

Mudança. A ausência de Kaká, suspenso, contra Portugal poderá fazer o Brasil jogar mais pela direita, diferentemente do que ocorreu no domingo (veja gráfico). Na ocasião, Felipe Melo efetuou 59 passes, a maioria dando continuidade ao jogo com o camisa 8, Gilberto Silva. O setor esquerdo contou com os avanços de Michel Bastos e Robinho.

Agora, com Júlio Baptista, o lado direito deve ser mais acionado, como na estreia diante da Coreia do Norte. Além disso, Maicon e Daniel Alves, que atuará no lugar de Elano no meio, também devem formar dupla mais efetiva pela direita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.