Fenômeno francês agora bate recorde mundial dos 50 m livre

Após duas quebras nos 100 m, Alain Bernard, 24 anos, volta a brilhar no Campeonato Europeu

Eindhoven, O Estadao de S.Paulo

24 de março de 2008 | 00h00

Três dias, três recordes. Esse é, até agora, o saldo do francês Alain Bernard no Campeonato Europeu de Natação. Ontem, ele surpreendeu mais uma vez ao marcar 21s50 na semifinal dos 50 metros livre - 6 centésimos abaixo da marca anterior, atingida há um mês pelo australiano Eamon Sullivan. ''Tinha de me manter calmo para esta semifinal'', disse Bernard. ''Comecei muito bem, algo que não é comum para mim. Pensei, então, que tinha de explorar minha excelente forma aqui em Eindhoven. E coloquei toda a minha força nos 35 metros.''Depois de conseguir a vitória, Bernard comemorou com um soco no ar e, em seguida, apontando para seu técnico, que vibrava com ele. Hoje, o francês de 24 anos cai novamente nas piscinas, valendo medalha - e, quem sabe, um novo recorde mundial.Na sexta-feira, durante as semifinais dos 100 m livre - prova mais nobre da natação -, o atleta já havia nadado 24 centésimos abaixo do recorde anterior, marcado pelo holandês Pieter van den Hoogenband nos Jogos Olímpicos de Sydney, na Austrália, em 2000. A nova marca, no entanto, durou apenas 24 horas. Na final da prova, no sábado, o próprio Bernard se superou e cravou no cronômetro o incrível tempo de 47s50.Até a competição, o francês de 88 quilos e 1,96 metro de altura era considerado o mais veloz de sua equipe, mas nunca tivera projeção internacional. Em seu currículo, ostentava o recorde francês dos 50 m (21s76) e dos 100 m livre (48s12).Com as últimas marcas, o cenário da natação é outro. Bernard vai para a Olimpíada de Pequim, em agosto, consagrado e com favoritismo. ''Isso é inacreditável. Agora sei que sou o homem a ser batido'', disse anteontem, sorridente, logo após bater seu segundo recorde.''KOSOVO É SÉRVIA''Depois de ser suspenso do Campeonato Europeu por usar no pódio uma camiseta com a frase ''Kosovo é Sérvia'', o nadador Milorad Cavic foi recepcionado com festa e homenagens ao desembarcar, no sábado à noite, em Belgrado.Cavic foi saudado por centenas de fãs e encontrou-se com o primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, que chamou o atleta de ''herói''. No sábado, o nadador justificou-se: ''Não tive intenções políticas.'' Nascido em Anaheim, Califórnia, Cavic disse que tentou apenas passar ''energia positiva'' para o país onde nasceram seus pais.A Liga Européia de Natação considerou a declaração da camiseta um slogan político e decidiu expulsá-lo da competição. A independência de Kosovo, declarada em fevereiro, foi reconhecida pelos Estados Unidos e pela maioria dos países da Europa.Cavic havia ganho a medalha de ouro nos 50 metros borboleta. Por causa da expulsão, o atleta deixou de nadar a prova dos 100 metros borboleta, no sábado, na qual era favorito. ''Sinto muito ter perdido a oportunidade de competir. Eu treinei muito para isso'', afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.