Ed Jones/AFP
Ed Jones/AFP

Fenômeno Kristof Milak quebra um venerável recorde de Michael Phelps

Jovem húngaro faz história e com apenas 19 anos supera o norte-americano, que era o responsável pelo recorde dos 200m de nado borboleta desde 2001

Karen Crouse, The New York Times

26 de julho de 2019 | 12h58

Gwangju, Coreia do Sul - Kristof Milak tinha 13 meses quando Michael Phelps conquistou seu primeiro recorde mundial, nos 200 metros de nado borboleta. Durante a maior parte dos 18 anos seguintes na sua terra natal, Hungria, Milak estudou vídeos granulados das corridas de Phelps, olhando as imagens em busca de dicas de como refinar sua técnica de estilo borboleta.

A má qualidade das fitas impedia Milak de captar muita coisa, ele lamentou. Mas não foi assim que pareceu a Phelps, que não poderia ter ficado mais impressionado com o desempenho de Milak na final dos 200 metros no Campeonato Mundial da FINA.

Em uma corrida que Phelps assistiu online, Milak, de 19 anos, venceu em 1 minuto 50,73 segundos, quebrando o recorde mundial e se tornando o primeiro homem não chamado Phelps a conquistá-lo desde 2001, um período de 18 anos, 3 meses e 24 dias.

Milak terminou os primeiros 100 metros em 52,88 - mesma marca registrada por Phelps em 2009, quando baixou o recorde pela última vez - e fez os 100 metros finais 0,78 segundo mais rápido que Phelps.

“Por mais frustrante que seja ver esse recorde cair, eu não poderia estar mais feliz em ver como ele fez isso", disse Phelps, que venceu o evento em três Olimpíadas e rebaixou o recorde mundial sete vezes. “Os últimos 100 metros desse garoto foram incríveis. Ele montou um ótimo  butterfly 200 do começo ao fim.”

Milak, que estabeleceu o recorde mundial de 1:53,79 em 2017, ficou em segundo na marca de 100 metros, 0,33 segundos atrás de Chad le Clos da África do Sul, que perturbou Phelps para conquistar o ouro nas Olimpíadas de 2012. Milak disse que teve um vislumbre de Le Clos, que estava a duas pistas de distância, quando terminou o segundo turno.

“Mas uma vez que fiz meus chutes de golfinho, comecei a me concentrar apenas em mim”, disse Milak com a ajuda de um intérprete. "Eu não pensava em mais nada, apenas no ritmo que pratico no treinamento."

Respirando a cada braçada - o mesmo que Phelps -, Milak se distanciou do campo com cada braçada longa e poderosa. No momento em que Milak virou na marca de 150, ele estava quase meio segundo abaixo do ritmo do recorde mundial e bem à frente do campo. Daiya Seto, do Japão, terminou em segundo lugar em 1: 53,86. Le Clos ficou em terceiro em 1: 54,15.

Depois que o tempo de Milak foi apresentado no placar, ele arrancou o boné e os óculos de proteção em um só movimento, bateu na água e sentou-se em uma linha de caminho com os braços estendidos como se dissesse: “Ta da”.

“Eu realmente não esperava bater o recorde”, disse ele, “mas eu estava preparado para isso”.

Milak treina em Budapeste, Hungria, onde seus companheiros de equipe incluem Katinka Hosszu, que ganhou quatro medalhas, incluindo três ouros, nas Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro. Ele descreveu Hosszu como o nadador que ele mais admira por causa de sua ética de trabalho. O cabelo de Milak ainda estava molhado do seu recorde de natação, mas ele já estava olhando adiante.

“Agora será muito mais difícil estabelecer um novo recorde pessoal”, disse ele.

Phelps, em seu terceiro ano de aposentadoria, ainda possui recordes em nado borboleta de 100 metros e no medley individual de 400 metros. Ele disse que não achava que a marca dos 200 em borboleta cairia tão rapidamente. Ele esperava abandonar seu recorde nos 100 de borboleta primeiro, porque Milak era o único nadador desde as Olimpíadas de 2016, que chegou a 1,5 segundo da marca de 200.

“Aconteceu porque havia um garoto que queria fazer isso, que sonhava em fazê-lo, que descobriu o que seria necessário para fazê-lo, que batalhou em sua técnica até que ela ficou bonita e que investiu muito, muito duro no trabalho, no que é preciso para fazê-lo        “, disse Phelps em uma entrevista por telefone. “Tiro o chapéu para ele.”

Tradução de Claudia Bozzo

Tudo o que sabemos sobre:
Michael Phelpsnatação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.