'Fernando Alonso tem, hoje, o melhor carro''

Piloto alemão da Red Bull minimiza fato de estar em 3º na classificação, mas acredita que o rival está com equipamento melhor

LIVIO ORICCHIO, ENVIADO ESPECIAL / BUDAPESTE, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2012 | 03h05

Não é fácil para um jovem de 24 anos chegar à metade do campeonato de Fórmula 1, como agora, e ver-se "apenas'' na terceira colocação, sendo que nas duas temporadas anteriores conquistou o título - no ano passado de maneira avassaladora, ressalte-se. É o caso de Sebastian Vettel, da Red Bull, o recordista absoluto em precocidade na categoria: mais jovem piloto a ser campeão do mundo, a vencer um GP, a estabelecer pole position, a chegar ao pódio, dentre outros números impressionantes.

Antes de começar a disputar o GP da Hungria, 11.º do calendário de 20 etapas (hoje tem os treinos livres), o alemão concedeu ontem, no circuito próximo a Budapeste, entrevista exclusiva ao Estado. Falou da experiência de ser o caçador e não mais a caça. Sempre simples, espontâneo, sincero, também fez perguntas durante a conversa, por vezes informal.

Como se sente por não ser o líder do campeonato?

Claro que é melhor ser o primeiro colocado, ter mais pontos. Mas no fim, ao menos nessa altura da competição, não faz tanta diferença. Sendo líder ou terceiro, como hoje, você sempre dá o máximo numa corrida, deseja tirar tudo do carro.

Há quem diga que você é um piloto brilhante largando na pole, mas um pouco menos eficiente quando começa a corrida um pouco mais para trás no grid.

Às vezes você larga em quinto ou décimo e não tem carro para vencer. Noutras começa atrás e sabe que dispõe de equipamento para lutar pelo primeiro lugar. Posso dizer que estou contente com as minhas corridas este ano. Ok, há ocasiões que você sai do carro e diz a si próprio que poderia ter feito mais, mas isso todo piloto sente. E tivemos eventos em que senti ter feito mais do que o meu conjunto me permitia.

Não vencer tanto e seguidamente como em 2011 faz alguns torcedores acreditarem que você não é mais o mesmo. E que agora Fernando Alonso, num ano excepcional, é o melhor. Como você responde?

Não penso nisso. Não estou aqui para ser melhor que Fernando ou para os outros verem que sou mais rápido que ele ou outro piloto. Sinto, sim, orgulho de competir com ele e com tantos pilotos tão capazes como há hoje na Fórmula 1, é um período de campeões nas pistas. Meu objetivo é ser sempre primeiro e vencê-los. E para ser campeão não significa que você tenha de vencer todas as etapas, ser o mais espetacular. Se no fim do ano me encontrar numa posição que me permita ser campeão será a recompensa por planejar minha temporada com o que disponho.

Mas Alonso reclama da Ferrari. Eles têm, então, o melhor carro?

Tiveram um começo de ano bastante difícil. Mas veja agora onde eles estão. São os mais regulares em todas as condições, na chuva, no seco, entre um asfalto e outro, frio, calor. Em Valência nós fomos muito velozes, mas não tivemos a confiabilidade, resistência da Ferrari, haja visto que Fernando venceu. A Ferrari tem o melhor pacote no momento. Em Hockenheim manteve a nós e a McLaren atrás. Isso é um fato, não a minha interpretação.

Aceitaria o desafio de ser o companheiro de Alonso, na Ferrari, onde o espanhol tem ambiente único?

Não sei. Ouço tanta coisa a respeito de seu contrato com a Ferrari que talvez tenha de refletir bem sobre isso. Dependeria da situação. Não tenho medo de lutar com Fernando no mesmo time. Faz bem para a equipe, é bom para você. A melhor forma de você produzir mais é enfrentar um desafio desses. Funciona bem mais que ter um companheiro bem mais lento. Como disse, não é útil a você e nem à escuderia.

Você e Mark Webber viveram uma fase de guerra aberta em 2010. Ele agora está na sua frente, segundo colocado. Como vai a relação de vocês?

A competição entre nós é saudável e, dessa forma, necessária para todos. Se não for assim prejudica todo o projeto. Ao menos hoje estou contente como lidamos com a situação. Tento ser melhor que Mark e ele melhor que eu. Mas para chegarmos a esse ponto passamos pelo que você sabe há dois anos (os dois colidiram ao disputar a 1ª posição na Turquia).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.