Ferrari desafia a soberana Red Bull e já sonha alto

Vettel faz a pole, mas Alonso fica a apenas 2 milésimos de segundo, e até Massa, em 3º, está pronto para surpreender

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2010 | 00h00

Fernando Alonso afirmou surpreendentemente, quinta-feira, em Hockenheim: "A Ferrari não está fora da luta pelo título. Nosso carro evoluiu muito." Ontem, na sessão que definiu o grid do GP da Alemanha, a sempre favorita Red Bull estabeleceu a pole position da 11.ª etapa do Mundial, desta vez com Sebastian Vettel, sexta dele no ano. Mas Alonso, segundo colocado, foi apenas 2 milésimos de segundo mais lento, a menor diferença já registrada entre os dois primeiros.

"Não estou chateado por não largar na pole. Até há pouco tempo éramos meio segundo mais lentos que a Red Bull", disse o espanhol. Como prova do importante avanço da Ferrari, Felipe Massa, companheiro de Alonso, larga na terceira colocação no grid. "Contente mesmo não estou, por não ter feito uma volta perfeita, mas estar de volta às primeiras colocações é sempre importante", falou Massa. "Você vai com tanta vontade que às vezes compromete seu tempo", explicou.

Foi o caso também de Mark Webber, parceiro de Vettel, que da mesma forma reconheceu ter errado na última parte do treino classificatório. Ficou em quarto.

A luta acirrada pela pole position não surpreendeu tanto Vettel. "Nós esperávamos uma disputa apertada aqui, talvez um pouco menos do que vimos", falou. "A natureza da pista e sua curta extensão favorecem a que todos estejam próximos."

Mas Alonso considera que não são esses fatores, essencialmente, que levaram a Ferrari a ser mais competitiva."Nós já podíamos ter vencido no Canadá, quando estreamos nosso novo pacote aerodinâmico que, a cada etapa, recebe aprimoramentos. Mas sempre acontecia alguma coisa", comentou o espanhol. "Aqui as coisas se encaixaram. Espero que amanhã (hoje), que é o que conta, continuem funcionando." E o espanhol fez uma projeção ousada. "Se recuperar 25 pontos, estarei na briga pelo título. Com o carro que temos agora, considero bem possível."

Alonso ocupa o quinto lugar no campeonato, com 98 pontos. O líder é Lewis Hamilton, da McLaren, 145, que continua com dificuldades para desenvolver o novo pacote aerodinâmico da equipe, utilizado pela primeira vez há duas semanas, em Silverstone. Hoje larga em sexto e o companheiro, atual campeão do mundo, Jenson Button, em quinto.

A previsão do tempo indica que não vai chover durante as 67 voltas da prova no traçado pouco desafiador de 4.574 metros, onde o desgaste dos pneus supermacios poderá ser decisivo. Rubens Barrichello, da Williams, realizou outro excelente treino, oitavo. "Não dá para pensar, ainda, em entrar no bloco dos seis primeiros, mas demos um salto de desempenho no último mês."

Já a Mercedes não rendeu o equivalente ao elevado investimento no carro de Nico Rosberg e Michael Schumacher. Correndo em casa, Rosberg larga em nono e Schumacher, em 11.º.

Bruno Senna, da Hispania,foi 21.º. Lucas Di Grassi, com problemas no câmbio, sequer pôde participar da definição do grid. Larga em 24.º e último. A Rede Globo transmite o GP da Alemanha ao vivo a partir das 9 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.