Ferrari fica mais compacta e com concepção refinada

Massa rodou 100 km com o modelo F60, nome dado para celebrar os 60 anos da escuderia

Livio Oricchio, Mugello, Itália, O Estadao de S.Paulo

13 de janeiro de 2009 | 00h00

Fim do mistério: a Ferrari mostrou ontem, no circuito de Mugello, a sua interpretação do novo, revolucionário e desafiador regulamento da Fórmula 1. O novo modelo, denominado F60 para celebrar os 60 anos da equipe no Mundial, é simples e tem concepção refinada. Felipe Massa completou cerca de 100 quilômetros na pista italiana, apenas para verificar se os sistemas básicos do F60 funcionavam, e afirmou: "Espero que essa Ferrari seja tão veloz quanto bonita!" Massa correrá com o número 3 e Kimi Raikkonen, com o 4. Veja a galeria de fotos da FerrariCom certeza, os engenheiros da McLaren, BMW, Renault, possíveis adversários da Ferrari, desde ontem já examinavam as fotos disponibilizadas pela escuderia de Maranello para verificar as soluções de Nikolas Tombazis e Aldo Costa, os responsáveis pelo F60, para as severas restrições aerodinâmicas deste ano. A Ferrari foi o primeiro time a apresentar o novo carro. E o que ficou claro foi a opção de Tombazis e Costa de não criar nada inovador demais, que poderia tanto dar muito certo como não corresponder."Acreditamos que a equipe campeã, este ano, será a que melhor desenvolver o seu projeto", disse Tombazis. "Haverá grande diferença entre o desempenho do início do campeonato e o das etapas finais." Massa gostou do F60. "Esse primeiro dia foi completamente diferente dos demais para mim aqui na Ferrari", comentou. "As mudanças, visíveis e as não visíveis, são muitas. Hoje tivemos pequenos problemas, mais esses 100 quilômetros foram importantes para começarmos bem os testes em Portugal", explicou o vice-campeão.Segunda-feira, no novo autódromo de Portimão, Massa poderá acelerar para valer o F60. "Outra novidade para nós foi o uso do Kers (sistema de recuperação de energia), pela primeira vez. Apertei o botão na reta e pude sentir bem o que significa dispor entre 60 e 80 cavalos a mais de potência." As reações do novo modelo italiano são bem distintas dos monopostos que estava acostumado a pilotar, destacou Massa. O regulamento fez com que, em princípio, os carros percam cerca de 50% de pressão aerodinâmica, mas liberou o uso dos pneus lisos em substituição aos com sulcos, para aumentar a aderência.O diretor-esportivo Stefano Domenicali lembrou que, com a proibição dos testes durante o campeonato, será importante que o F60 tenha nascido bem, confiável. "Vimos quanto nos custou a questão ano passado." Essa foi uma das razões por Tombazis e Costa não buscarem nada revolucionário. "Será bem mais difícil este ano reverter uma situação desfavorável por não se poder testar", disse Tombazis.Sexta-feira será a vez de a McLaren mostrar seu MP4/24 e segunda-feira, a Renault, o R29. O repórter Livio Oricchio viaja a convite da Ferrari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.