Ferrari mostra que está pronta para surpreender

Equipe confirma evolução, Alonso faz melhor tempo e Massa o terceiro. Mas Red Bull [br]segue como favorita

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2010 | 00h00

No GP da Grã-Bretanha, dia 11, em Silverstone, a Red Bull só não venceria a corrida se enfrentasse alguma dificuldade técnica, os pilotos errassem ou se envolvessem em incidente. Mas, na prova de Hockenheim, onde hoje será definido o grid do GP da Alemanha, a Ferrari deu mostras de que pode ficar na frente de Sebastian Vettel e Mark Webber, da Red Bull. "Vamos ter competição esse fim de semana", afirmou Webber, vencedor em Silverstone. Fernando Alonso, da Ferrari, foi o mais veloz ontem, na sessão livre da tarde, com pista úmida. De manhã choveu.

Felipe Massa, também da Ferrari, fez o terceiro tempo. A Red Bull, o segundo, com Vettel, a 29 milésimos do espanhol, e o quarto, com Webber, a 147 milésimos de Massa. "Eles estão muito fortes aqui na Alemanha", comentou Vettel, da Red Bull.

Massa confirmou: "Desde a etapa de Valência, demos um grande salto e aqui também temos novidades." Alonso vai além: "Basta que nada de anormal aconteça para somarmos bons pontos. Com esse carro dá para pensar em subir no pódio com regularidade, que é o que precisamos para lutar pelo título."

Apesar do 7.º e 15.º tempo ontem, com Lewis Hamilton e Jenson Button, líderes do Mundial, a McLaren costuma surpreender na corrida. E até a Mercedes, com importantes avanços, parece ter crescido. Ontem, Nico Rosberg obteve o quinto tempo e Michael Schumacher, o sexto. "Não é impossível pensar em pódio aqui em Hockenheim, o que seria maravilhoso", disse o alemão.

O desafio de pilotos e equipes, hoje, no treino classificatório, é definir a estratégia para as 67 voltas no circuito de 4.574 metros. Os dez primeiros no grid têm de largar com o mesmo jogo de pneus de sua melhor volta na classificação. "Para esta corrida temos os pneus supermacios e os mais duros possíveis. Entre eles há os macios e os médios, que seriam os melhores para esta pista, mas ficaram na fábrica", explica Alonso. A Bridgestone disponibilizou os dois tipos extremos.

"Como está prevista chuva amanhã (hoje) também, deveremos conhecer o verdadeiro comportamento do carro com os pneus para asfalto seco apenas na corrida, quando a previsão é de tempo quente'', disse Rubinho, da Williams, nono ontem. "A diferença de desempenho entre um pneu e outro é de um segundo, é muito grande", contou.

Lucas Di Grassi, da Virgin, foi o 21.º. e Bruno Senna, da Hispania, o 23.º. A Globo transmite a classificação, hoje, às 9 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.