Ferrari prepara o contra-ataque final

Equipe faz modificações e lança, no GP da Europa, dia 27, um modelo quase novo. Tudo para tentar salvar a temporada

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2010 | 00h00

A Ferrari iniciou a temporada, dia 14 de março, com uma dobradinha no GP de Bahrein: Fernando Alonso venceu e Felipe Massa foi o 2.º. Na classificação, porém, Sebastian Vettel, da Red Bull, estabeleceu a pole com um tempo 141 milésimos de segundo melhor que o de Massa, o 2.º no grid. Pouco mais de dois meses depois, no GP da Turquia, em 30 de maio, Massa terminou em 7.º e Alonso, em 8.º. Na classificação, Mark Webber, da Red Bull, largou na pole com uma marca 787 milésimos melhor que Massa, o 7.º . O brasileiro, então, reconheceu: "Nossos adversários desenvolveram o carro melhor do que nós."

A Ferrari que teve Alonso e Massa na liderança, vê agora, quase ao fim da primeira metade do Mundial, sua melhor colocação com o espanhol, apenas em 4.º - soma 94 pontos ante os 109 de Lewis Hamilton, da McLaren. Massa é o 8.º, com 67. Entre os construtores, a equipe também ficou para trás. Antes líder, agora é 3.ª, com 161 pontos. A McLaren lidera com 215.

Foi durante a formação desse quadro preocupante que Stefano Domenicali, diretor da Ferrari, decidiu pelo lançamento de um carro quase novo para o GP da Europa, dia 27, no circuito de rua de Valência. "Do modelo atual (F10) vamos usar apenas o monocoque (estrutura central do carro)." Em Montreal, Alonso comentou: "Isso mostra o quanto a Ferrari está interessada em ganhar este campeonato."

Os engenheiros da equipe trabalharam visando elevar a geração de pressão aerodinâmica do F10. Domenicali explicou o atraso: "Dedicamos a maior parte de nossos esforços no desenvolvimento do duto de ar." O sistema criado pela McLaren permite aos pilotos, de dentro do cockpit, controlar o ar que chega ao aerofólio traseiro, o que eleva a velocidade nas retas. Como a vantagem é significativa, a Ferrari e outros times se concentraram nesse recurso.

Mas a nova versão do F10 incorpora não só a última solução para o duto de ar. A Ferrari terá também a solução que ajuda especialmente a Red Bull: os canos de escape do motor liberando seus gases no duplo difusor, aquela curvatura do assoalho abaixo do aerofólio traseiro. Até agora eles saíam por cima do duplo difusor.

"A falta de testes não nos permitirá ver o resultado até os primeiros treinos em Valência, mas temos indicações de uma grande melhora no desempenho", explicou Massa. Mas tanto ele como Alonso e a equipe sabem: é a última chance da Ferrari. "Já temos estudos avançados do modelo de 2011", afirmou Domenicali. A razão é simples: o duplo difusor será proibido e todos os carros, este ano, foram concebidos em função desse recurso aerodinâmico. Ou seja, para a Ferrari, ou a nova versão do F10 funciona ou Massa e Alonso já podem começar a pensar na próximo ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.