Festival de doping suspende atletas às vésperas dos Jogos

Só ontem, foram anunciadas três suspensões. E número deve aumentar

Moscou, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2008 | 00h00

As entidades esportivas, em especial a do atletismo, estão se esforçando para ?limpar? o esporte de atletas que usam substâncias dopantes antes da Olimpíada de Pequim. Resultado: uma avalanche de casos positivos e punições. O caso mais recente é o da russa Tatyana Lysenko, que foi flagrada pelo uso de um bloqueador de hormônios proibido pelas regras da Agência Mundial Anti Doping (Wada) em um exame realizado fora de competição poucos dias depois de bater o recorde mundial da modalidade, há um ano. A Federação Internacional de Atletismo (Iaaf) anunciou ontem a suspensão da atleta por dois anos.Mas Tatyana, no entanto, não cumprirá a punição sozinha. Ontem, sua compatriota e colega do lançamento de martelo, Ekaterina Khoroshich, também pegou dois anos pelo uso do mesmo tipo de substância. A Iaaf também anunciou que o corredor espanhol Ricardo Carrión Fernandez, que já foi punido entre 2004 e 2006 por doping, pegará mais dois anos de gancho.Mas o caso mais escandaloso do esporte olímpico é o do halterofilismo grego. O esporte, que já rendeu medalhas ao país em Olimpíadas, pode ficar sem representante em Pequim e ontem a Justiça indiciou o ex-técnico da seleção, Christos Iakovou, por fornecer anabolizantes a seus atletas - 11 deles, todos flagrados em exames antidoping fora de competição, também responderão a processo. Ao todo, 25 pessoas estão envolvidas no caso. O treinador, que pediu demissão depois da divulgação do escândalo, pode ser condenado a cinco anos de prisão. Os atletas podem ser presos por dois anos.CICLISMOO atletismo não deve ser o único esporte a ter atletas suspensos por doping na semana. A Corte Arbitral do Esporte (CAS) pode suspender hoje o ciclista espanhol Iban Mayo por dois anos. A União Ciclística Internacional (UCI) pediu a punição do atleta porque se recusou a participar de um exame antidoping durante a Volta da França do ano passado e dias depois foi flagrado em pelo uso de eritropoietina (EPO).O caso foi parar na corte porque o resultado da contraprova foi inconclusivo e o atleta liberado para competir pela Federação Espanhola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.