Fidel se solidariza com atleta cubano que agrediu árbitro

Cubano justifica atitude como defesa de Angel Valodia Matos e considera a arbitragem corrupta

EFE

25 de agosto de 2008 | 09h32

O ex-presidente cubano Fidel Castro manifestou solidariedade ao atleta Angel Valodia Matos, que acertou um chute no rosto de um árbitro na disputa pelo bronze do tae kwon do dos Jogos Olímpicos de Pequim.Veja também: Treinador acusa Casaquistão de 'comprar' luta do tae kwon do  Cubano agride árbitro no tae kwon do e é excluído do esporte"Angel ficou assombrado com uma decisão que considerou totalmente injusta, protestou e acertou um chute contra o árbitro. Ele não pôde se conter", disse Fidel, segundo a imprensa oficial.O lutador agrediu o árbitro após ser desqualificado na briga pelo bronze na categoria acima de 80 quilos contra o casaque Armam Chilmanov, que foi declarado vencedor.A Federação Internacional de tae kwon do examinou imediatamente o caso e decidiu banir do esporte Valodia e seu treinador. Fidel também disparou críticas contra a arbitragem no boxe, esporte no qual Cuba não conquistou medalhas de ouro."Foi criminoso o que fizeram com os jovens de nossa equipe de boxe, para complementar o trabalho dos que se dedicam a roubar atletas do terceiro mundo", disse. Fidel ainda afirmou que "Cuba jamais comprou um atleta ou um árbitro"."Há esportes onde a arbitragem está muito corrompida. Nossos atletas lutam contra o adversário e o árbitro", disse.Até os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, viraram alvo do ex-presidente cubano. "Não nos deixemos bajular pelos sorrisos de Londres. Ali haverá chauvinismo europeu, corrupção na arbitragem, compra de músculos e cérebros e um forte dose de racismo", disse.Em relação ao fraco desempenho de Cuba em Pequim, com apenas duas medalhas de ouro, Fidel se utilizou das estatísticas."Os cubanos representam cerca de 0,07% da população mundial. Não podemos ser fortes em todos os esportes como os Estados Unidos, que possui uma população 30 vezes maior", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.