Fiel empurra o Corinthians

Contra o Botafogo, time de Mano Menezes terá o apoio de quase 70 mil torcedores para alcançar vaga na final

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2008 | 00h00

O Morumbi será palco hoje do confronto mais esperado do ano pelo torcedor corintiano. Quase 70 mil pessoas vão empurrar a equipe no jogo decisivo - e cheio de rivalidade - contra o Botafogo, às 21h50. O ambiente, naturalmente tenso por se tratar de uma partida semifinal, ganhou tempero extra com o bate-boca entre elenco e diretoria dos clubes. Os paulistas têm de vencer por 1 a 0 ou por dois gols de diferença para chegar à final da Copa do Brasil. Os cariocas entram em campo precisando do empate, já que venceram na semana passada, no Rio, por 2 a 1. Mais informaçõesApós o primeiro duelo, Mano Menezes insinuou que o Botafogo tem sido favorecido pela arbitragem, porque ''as pessoas têm pena'' do clube, que não ganha um título importante há muito tempo. Os botafoguenses não gostaram nada do que ouviram e disseram que o técnico corintiano foi desrespeitoso.O Corinthians reclamou da escolha do bandeirinha Roberto Braatz. Ele trabalhou no jogo do Engenhão, em que a arbitragem foi reprovada pelos paulistas. Os cariocas, por outro lado, ameaçam ir à Justiça pelo fato de não terem recebido a cota de ingressos que queriam e acreditavam ter direito. Dos 68 mil postos à venda, apenas mil foram para o Botafogo.Mano cutucou novamente o adversário ontem. E disse confiar em bom desempenho da arbitragem. ''Estou tranqüilo, pois o Cuca falou que vai fazer orações e eu confio muito em orações'', ironizou. ''Vou torcer para que o árbitro faça uma arbitragem melhor do que a do Rio, pois há um senso comum de que fomos bastante prejudicados naquele jogo.'' Na ocasião, Chicão fez um gol, anulado de forma equivocada.Com a necessidade de vitória por 1 a 0 ou dois gols de diferença, o comandante corintiano resolveu adotar o mistério. Ontem, jornalistas se ''acotovelavam'' do lado de fora de Parque São Jorge enquanto Mano definia como escalar a equipe para a decisão desta noite. ''É uma das partidas mais importantes do ano e, se o oponente não fica sabendo como você vai agir, tem menos condições de se preparar'', justificou, referindo-se ao treino secreto. ''Secreto não, pois todos sabiam.''Uma coisa é certa. Mano não quer ter apenas um herói na conquista do objetivo, que é a vaga na final. '' Vamos compartilhar as responsabilidades e definir bem as tarefas'', afirmou. O treinador relacionou 19 jogadores, mas não definiu a escalação. Vale tudo por um lugar na decisão da Copa do Brasil. E o grito da torcida, apostam os jogadores, será fundamental para o sucesso corintiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.