Fifa e Costa do Marfim investigam tragédia

Incidente com 19 mortos em jogo das Eliminatórias terá ampla averiguação; Comitê Organizador da África do Sul garante que o Mundial não corre risco

, O Estadao de S.Paulo

31 de março de 2009 | 00h00

O acidente que provocou a morte de 19 pessoas e deixou 132 feridos em um estádio na cidade de Abidjã, na Costa do Marfim, vai ser amplamente investigado pelas autoridades locais e pela Fifa. O primeiro-ministro do país africano, Guillaume Soro, deu início ontem a uma série de reuniões com esse fim.De acordo com a imprensa da Costa do Marfim, tudo começou quando um muro desabou e, em seguida, a polícia usou gás lacrimogêneo para tentar controlar a multidão. Os incidentes ocorreram durante a partida de domingo entre Costa do Marfim e Malavi, pelo Grupo 5 das Eliminatórias Africanas à Copa de 2010, disputada no Estádio Felix Houphouet-Boigny. Uma comissão do governo marfinense visitou ontem diversos hospitais para estabelecer contato com os feridos e oferecer ajuda oficial. No domingo, as informações eram de 22 mortes.O presidente da federação de futebol local, Jacques Anouma, afirmou que o estádio de Abidjã, com capacidade total para 45 mil espectadores e permissão para 35 mil, cumpriu as normas da Fifa. Segundo ele, não foi vendida nenhuma entrada a mais do que o número autorizado. "É preciso esperar os resultados das investigações do Ministério da Segurança para determinar as circunstâncias."Já o Ministério de Esportes explicou que o incidente ocorreu porque outras 50 mil pessoas, que se aglomeravam fora do estádio, forçaram portões para entrar no local.O chefe do Comitê Organizador da Copa de 2010, Danny Jordaan, garantiu que esse tipo de incidente não ocorrerá no Mundial ou na Copa das Confederações, em junho. Segundo ele, todas as entradas serão vendidas por antecipação e quem não tiver ingressos será detido "a quilômetros" dos estádios.Outro a se manifestar foi o suíço Joseph Blatter, presidente da Fifa, que pediu às autoridades marfinenses e à federação local um relatório detalhado dos fatos, para que faça uma avaliação.A Confederação Africana de Futebol (CAF) divulgou uma nota em seu site manifestando "profunda tristeza" pela tragédia de Abidjã e oferecendo "sinceras condolências a toda a família do futebol".Será respeitado um minuto de silêncio nos próximos jogos realizados nos estádios do continente. Em campo, no domingo, a Costa do Marfim venceu a seleção de Malavi 5 a 0, com dois gols do atacante Didier Drogba, do Chelsea, da Inglaterra.VAGA COMO HOMENAGEMO meio-campo marfinense Yayá Touré, do Barcelona, disse ontem que a seleção de seu país tem de ir muito longe nas Eliminatórias Africanas para a Copa de 2010 como forma de homenagear as pessoas mortas e feridas no incidente. Touré, que não jogou no domingo por estar machucado, enviou uma mensagem de solidariedade às vítimas: "É uma situação muito grave, muito difícil parCASOS MAIS RECENTES NA ÁFRICAJohannesburgo, África do Sul, em 2001 - Quarenta e três torcedores mortos e 155 feridosAcra, Gana, em 2001 - Cento e vinte e três pessoas morreram em confronto com a políciaLomé, Togo, em 2004 - Quatro torcedores morreram e oito ficaram feridos; Lusaka, Zâmbia, em 2007 - Doze pessoas morreram por esmagamento. nós e também para o mundo do futebol", diz o texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.