Fifa mira jogadores que simulam faltas

A Fifa quer que árbitros punam jogadores adotem uma atitude de "cai-cai" em campo durante a Copa do Mundo de 2014. Nesta semana, a entidade iniciou a preparação dos árbitros que serão levados para o Mundial, na esperança de dar um basta às críticas que vem marcando as Copas.

ZURIQUE, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2012 | 03h09

Uma das preocupações é com o comportamento de jogadores que tentam manipular incidentes dentro de campo, jogar a torcida contra o árbitro ou simplesmente simular uma falta. "Nossa mensagem é de que o fair play precisa vingar", disse Massimo Busacca, ex-juiz e que hoje é o coordenador de árbitros da Fifa.

Questionado sobre a polêmica em relação a Neymar, Busacca preferiu não comentar. "Não vou falar em nomes. Não estaria correto. Mas a mensagem é de que, com um futebol veloz e dinâmico, não há como aceitar essa situação", disse.

"Queremos capacitar os árbitros para identificarem essa situação", declarou Jorge Larrionda, ex-juiz uruguaio que apitou a última Copa e que hoje é instrutor do novo grupo para 2014. "A simulação atrapalha quando o juiz não vê", admitiu.

Erro histórico. Autor de um erro que entrou para a história do futebol, Jorge Larrionda, defende a adoção imediata de tecnologia e alerta que, diante da velocidade do futebol atual, a "habilidade humana" já não é suficiente.

No jogo que apitava na Copa do Mundo de 2010, Larrionda não deu um gol legítimo da Inglaterra contra a Alemanha. A bola bateu no travessão e entrou. Mas ele não viu. "Foi um momento muito difícil", comentou. Segundo ele, porém, seu erro abriu as portas para a introdução da tecnologia no futebol. "A tecnologia será uma evolução para o árbitro", disse.

No Mundial de Clubes desse ano, em dezembro, a Fifa vai inaugurar o uso de um sistema para detectar se a bola cruzou ou não a linha do gol. / J.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.