Fifa obriga clubes a liberar atletas

Determinação vale para jogadores sub-23. Ronaldinho, único problema para Dunga, deve ignorar a ordem do Barça

O Estadao de S.Paulo

11 de julho de 2008 | 00h00

O técnico Dunga já pode dormir um pouco mais tranqüilo. Ele teve ontem a confirmação de que poderá contar com os jogadores nascidos a partir de 1º de janeiro de 1985 convocados para a seleção que tentará a inédita medalha de ouro para o Brasil no torneio masculino de futebol da Olimpíada de Pequim. A garantia foi dada pela Fifa. A entidade encerrou a polêmica criada por alguns clubes europeus que não queriam ceder seus atletas - não só para o Brasil como para várias das outras 15 seleções que disputarão os Jogos - e determinou que a liberação é obrigatória.Com isso, a dor de cabeça de Dunga praticamente acabou, pois não deve ter dificuldade nem para reunir os três jogadores com idades acima de 23 anos que chamou. O Fluminense está feliz com a convocação do zagueiro Thiago Silva; o Real Madrid não vê problemas em ceder Robinho - que estaria negociando a transferência para o Chelsea. Já Ronaldinho Gaúcho se mantém firme na disposição de ir a Pequim à revelia da intransigência do Barcelona. "É um sonho que tenho e já me imagino fazendo coisas boas e conquistando a medalha de ouro??, disse o astro.A Fifa mantinha-se em cima do muro em relação à questão e só interveio após dois times alemães, Werder Bremen e Schalke, e um espanhol, o Barcelona, se colocarem publicamente contra a cessão, respectivamente, do meia Diego, do lateral-direito Rafinha e do meia Messi (este para a seleção argentina) para irem a Pequim. Os clubes preferiram fazer consulta formal à entidade sobre os critérios para a liberação.Ontem, ao revelar sua decisão, a entidade foi sucinta e clara: "Devido à importância do torneio olímpico para o movimento esportivo em geral e para o futebol em particular, os clubes estão obrigados a ceder os jogadores menores de 23 anos??, ordenou a Fifa, por meio de comunicado. "Este princípio se aplica a Pequim-2008.??Também foi recomendada a cessão dos jogadores maiores de 23 anos, casos dos brasileiros Ronaldinho Gaúcho, Robinho e Thiago Silva, em nome do espírito olímpico. "A cessão não é obrigatória, segundo o regulamento da Fifa. No entanto, o Comitê Executivo da Fifa, na reunião de 14 de março, apelou para a solidariedade dos clubes, para que cedam estes atletas??, recordou ontem a entidade.Alguns clubes, porém, não se sensibilizaram com o apelo. O Milan não quis ceder Kaká (leia ao lado) e as duas primeiras opções de Dunga para a zaga, Lúcio e Juan, não foram liberadas por Bayern de Munique e Roma, respectivamente.PROGRAMAÇÃOCom o impasse definido, Dunga e a CBF agora têm mais tranqüilidade para decidir os últimos detalhes da preparação para Pequim. A princípio, os jogadores se apresentam no dia 22 para um período de treinos na Granja Comary, em Teresópolis. Ainda não está definida a data da viagem à China, mas deve ocorrer nos dois primeiros dias de agosto.O Brasil estréia no torneio masculino de futebol da Olimpíada dia 7 de agosto, contra a Bélgica, em Shenyang. Na mesma cidade enfrenta a Bélgica, no dia 10. A seleção comandada por Dunga encerra participação no Grupo C no dia 13, contra os anfitriões chineses, em Qinhuangdao.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.