Fifa põe mais dois árbitros em campo

Entidade testará um juiz em cada grande área para reduzir erros

O Estadao de S.Paulo

10 de outubro de 2007 | 00h00

Menos erros ou mais confusão? A conservadora Fifa resolveu inovar e anunciou, ontem, a utilização de mais dois árbitros durante os jogos do Mundial de Clubes, em dezembro, no Japão. Medida polêmica que, por enquanto, surge como teste. Além do juiz principal e dos assistentes - como já ocorre hoje -, dois auxiliares participarão das partidas e ficarão dentro de campo. A idéia, claro, é reduzir o número de equívocos, principalmente em lances dentro (ou perto) da área e que possam resultar em gol.A novidade, como sempre, não é unanimidade e divide opiniões (veja abaixo). Há quem tema, entre outras coisas, que o excesso de gente no gramado prejudique o espetáculo. Ou que haja desentendimento na arbitragem. A proposta, a princípio, é posicionar cada um dos dois novos personagens dentro das duas grandes áreas. Existe a possibilidade, até, de que a Fifa os escale na direção da linha do gol, para evitar, por exemplo, a validação de gols em que a bola não entra na meta ou a anulação de gols em que a bola ultrapassa a linha.Uma fonte da entidade declarou, no entanto, que ainda não há definição oficial de como os dois juízes serão aproveitados. A decisão será tomada pouco antes do início do Mundial, que terá, entre outros, a participação de Milan e Boca Juniors - os dois últimos campeões da disputa são brasileiros: São Paulo, em 2005, após vitória sobre o Liverpool, e Internacional, em 2006, depois de triunfo sobre o Barcelona.A aprovação para os testes ocorreu após reunião do novo Comitê de Estratégia da Fifa, presidida pelo ex-jogador francês Michel Platini, que também comanda a Uefa, entidade européia. Platini sempre apoiou inovações no futebol e teve participação fundamental no desfecho do encontro de ontem, em Zurique, na Suíça.Mesmo que traga resultados positivos durante a competição, a mudança dificilmente passará a valer já no início de 2008. A Fifa costuma fazer modificações na regra do futebol em doses homeopáticas.Outro objeto de estudo no Japão será a ''''bola inteligente'''', que carrega um chip. O equipamento, criado pela Adidas, multinacional alemã de material esportivo, avisa se a bola entrou ou não no gol. O sistema foi aplicado pela primeira vez no Mundial Sub-17, realizado na Coréia do Sul, mas até agora não havia sido testado em um torneio oficial da categoria profissional.INDENIZAÇÃO A CLUBESA Comissão Estratégica da entidade discutiu, também, a possibilidade de compensar financeiramente os clubes que tiverem atletas convocados para suas seleções nacionais, além de oferecer seguros. E estuda a implantação de um calendário único internacional, que não prejudique os campeonatos de clubes. As equipes sofrem constantemente defalques de jogadores importantes para as seleções. O Real Madrid, por exemplo, retornou aos treinos ontem, após a rodada do fim de semana do Espanhol, sem 14 de seus astros que defendem times nacionais. Dois deles são brasileiros: o atacante Robinho e o meio-campista Júlio Baptista.''''É importante que a Fifa e a Uefa aceitem debater de forma profunda estas questões. Elas precisam entender a necessidade dos clubes'''', declarou Joan Laporta, presidente do Barcelona. ''''Resta muito trabalho a fazer. A diferença é que hoje já temos o tema sobre a mesa das entidades internacionais'''', completou o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.