Fifa promete clareza nas transferências

Sistema online para combater lavagem de dinheiro e corrupção na transação de atletas entra em vigor amanhã

, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2010 | 00h00

ZURIQUE

A partir de amanhã, a Fifa vai obrigar clubes de todo o planeta a usar um sistema eletrônico que promete tornar mais transparente a transferência internacional de atletas. O Transfer Matching System (TMS), usado de forma experimental desde 2007 na Europa, é a arma da entidade para combater lavagem de dinheiro e outras formas de corrupção no futebol.

No sistema online da Fifa, cada transação terá de incluir informações detalhadas da negociação, como empresários, valores e bancos envolvidos. Ao todo, serão mais de 30 campos com informações de cada transação. Se os dados cedidos pelas duas partes envolvidas não forem iguais, a transferência será bloqueada e os clubes, punidos.

Outro benefício será a rapidez na regularização de atletas - no futebol brasileiro, é comum que a estreia de um jogador contratado demore por conta da espera por documentos do ex-clube.

O TMS será exigido de 3.633 clubes profissionais em quase 150 países. "Este é um momento histórico para o futebol. O TMS é um sistema on-line simples, mas que terá um tremendo impacto nas transferências internacionais de jogadores", diz o presidente da Fifa, Joseph Blatter.

O sistema permite que um relógio online determine a hora exata de fechamento da janela de transferências, para evitar ambiguidade em acordos fechados no último instante. A ideia da Fifa é que, no futuro, o TMS seja expandido para transferências nacionais. Assim, a entidade poderá monitorar todas as transações de atletas pelo mundo.

Intermediário perde força. Outro efeito esperado pela Fifa é o enfraquecimento dos intermediários. Alguns dos "donos de direitos econômicos", como o iraniano Kia Joorabchian, não poderão mais segurar uma transferência à espera de sua compensação financeira no acordo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.