Fim do Europeu de Natação garante mais 2 revezamentos do Brasil na Olimpíada

A natação do Brasil deverá estar representada nas seis provas de revezamento dos Jogos do Rio. É o que praticamente ficou definido após o fim, neste domingo, do Campeonato Europeu, realizado em Londres, com resultados que vão assegurar a presença do País nas disputas do 4x100 metros medley feminino e do 4x200 metros livre masculino.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

22 de maio de 2016 | 20h43

A natação brasileira já havia se classificado para a disputa da Olimpíada nos revezamentos 4x100m livre (masculino e feminino), 4x200m (feminino) e 4x100m medley (masculino) através do Mundial de Esportes Aquáticos de 2015, em Kazan, por ter ficado entre os 12 melhores nas respectivas disputas no evento russo. Agora é praticamente certa a presença nas outras duas provas.

Em uma espécie de repescagem, mais quatro vagas são distribuídas através do ranking mundial, que será fechado em 31 de maio. Depois do fim do Europeu, porém,m não serão disputadas mais grandes competições nos próximos dias, o que deixa o Brasil à espera apenas da formalização da sua classificação em mais dois revezamentos para os Jogos do Rio.

Afinal, o Brasil tem a segunda melhor marca do revezamento 4x200m masculino, com o tempo de 7min11s15, registrado no Jogos Pan-Americanos de Toront,o no ano passado, ficando atrás da Itália e à frente de Hungria e África do Sul, todos esses na zona de classificação para a Olimpíada. Com a classificação, André Pereira será convocado para compor o revezamento brasileiro na Olimpíada.

O Brasil também ocupa a segunda posição na "repescagem" do 4x100m feminino, com o tempo de 4min02s52, do Pan de Toronto - a relação é liderada pela Finlândia e também conta com República Checa e Espanha. Com a ratificação da classificação,

Natália de Luccas, que também entra nos 200m costas, e Jhennifer Alves, que também garante presença nos 100m peito, serão convocadas.

EUROPEU - O francês Florent Manaudou confirmou a sua condição de grande nome da prova dos 50 metros livre no mundo ao faturar o bicampeonato europeu com o tempo de 21s73, pior que o das semifinais, quando avançou com 21s64. Já o italiano Gregorio Paltrinieri foi o responsável pelo único recorde europeu registrado em Londres ao vencer a prova dos 1.500 metros livre em 14min34s04.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.