Fim do jejum em clássicos pode não servir ao São Paulo

Equipe perdeu neste ano os 5 confrontos com os maiores rivais. Vitória hoje só será festejada se for por pelo menos 2 gols

, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

O São Paulo ainda não venceu um clássico sequer nesta temporada. Nenhuma novidade. Foram cinco jogos contra os maiores rivais e cinco derrotas. É um retrospecto que incomoda a todo são-paulino e já começa a impacientar a própria equipe. Para complicar ainda mais bater o Santos hoje, na Vila Belmiro, não é suficiente. O escrete tricolor precisa de uma vitória por pelo menos dois gols de diferença contra um time que não passou em branco em nenhum jogo este ano. Pode ter ficado tarde demais para acabar com o jejum.

"Este retrospecto incomoda bastante", admite o zagueiro Alex Silva. "É uma situação que nos atrapalha porque entramos em campo sempre com esse peso nas costas. E agora, realmente, só vencer já não basta."

Alguns "sinais" dão alento ao ainda esperançoso time do São Paulo. Teve, pela primeira vez na temporada, uma semana inteira para treinar antes de uma partida, imagina que agora poderá jogar com os 11 jogadores o tempo todo - teve um expulso nos últimos três clássicos - e, principalmente, conseguiu encurralar o Santos durante o segundo tempo da partida do Morumbi (derrota por 3 a 2), mesmo com um atleta a menos.

"O que mais nos dá confiança é aquele segundo tempo. Buscamos uma força absurda para jogar melhor que o Santos mesmo com um jogador a menos", lembra o volante Hernanes, de longe o mais confiante do grupo em uma reversão do panorama da semifinal. "A verdade é que o ser humano costuma exagerar. Agora há todo um apelo em torno do Santos. Mas, no domingo (hoje), é a hora dessa verdade ser confrontada."

O que deixa os são-paulinos com um pé atrás é a recente falta de sorte. Nos últimos dois clássicos, o São Paulo buscou um resultado adverso, mas deixou escapar empates heroicos nos minutos derradeiros das partidas. Os jogadores tricolores agora não querem nem imaginar que o roteiro desastroso possa voltar a repetir.

"Tivemos tempo para corrigir todos os erros. A defesa vai conseguir não tomar gol desta vez", garante Alex Silva. "A gente sabe que, se a defesa conseguir segurar, o nosso ataque vai fazer e nos levar à final do campeonato."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.