Fina libera Efimova para treinar e caso de doping será julgado pela CAS

A Federação Internacional de Natação (Fina) retirou nesta sexta-feira a suspensão provisória imposta à nadadora russa Yulia Efimova, que testou positivo em exame antidoping surpresa para a substância proibida Meldonium. Ela está liberada para treinar e, de acordo com a agência de notícias oficial russa, a TASS, será julgada diretamente pela Corte Arbitral de Esporte (CAS, na sigla em inglês), na Suíça.

Estadão Conteúdo

20 de maio de 2016 | 15h54

Técnico dela, Sergey Kolmogorov confirmou à TASS sobre o fim da suspensão provisória. "Posso confirmar que a suspensão foi revogada. Ela está liberada para treinar em qualquer lugar do mundo, incluindo sua base em Los Angeles. Estou muito contente que a situação tenha se resolvido", disse ele.

Em abril, a Fina havia comunicado que não tomaria uma decisão a respeito de Efimova antes da análise do seu caso pelo seu Painel Antidoping, que tem próxima reunião marcada para 30 de maio. O caso da nadadora russa, melhor peitista do mundo na atualidade, entretanto, não consta na ata dessa reunião.

Presidente da Federação Russa de Natação, Vladimir Salnikov contou, também à TASS, que o caso será julgado diretamente pela CAS. A discussão a respeito de Efimova, de qualquer forma, chegaria à corte suíça.

Se vier a ser punida, Efimova pode ser banida por toda a vida, uma vez que seria reincidente. Ela, entretanto, alega que não consumiu Meldonium depois da proibição do consumo da substância, em 1.º de janeiro. A Agência Mundial Antidoping (Wada) já determinou uma espécie de anistia para quem foi flagrado com baixa concentração de Meldonium no organismo, o que ela alega ser seu caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.