Finasa/Osasco pode trazer musa italiana

A novela com a levantadora Gisele mal terminou e o Finasa/Osasco, que busca o tricampeonato da Superliga de Vôlei, já está de olho em outra jogadora para a posição. A solução parece estar na Europa. Nos bastidores, fala-se na possibilidade de trazer Maurizia Cacciatori, musa da Seleção Italiana. Aos 31 anos, Cacciatori foi contratada em julho pelo Lodi, da segunda divisão italiana. Mas o time deu calote em várias atletas e a veterana de 31 anos e 1,78 m estaria disponível. A musa chegou a participar de todo o processo classificatório para os Jogos Olímpicos de Atenas, mas não disputou a competição por causa de uma contusão no calcanhar - a substituta foi Lo Bianco. Nem o técnico José Roberto Guimarães, nem a diretoria da Finasa confirmam as chances de trazer a italiana. "Foi tudo muito rápido, e nem tive a chance de conversar com a Gisele", afirma Zé Roberto. Depois do treino da manhã de sábado, a levantadora teria dito que não se apresentaria na concentração à noite. O namorado da jogadora apareceu no hotel onde o time estava concentrado para dizer que Gisele queria a rescisão de contrato. Na segunda-feira a equipe anunciou a aceitação do pedido da jogadora, alegando que ela não se adaptou ao estilo de treinamento. A situação do time é complicada, já que inscrições de novas atletas é permitida apenas até o dia 21. "Todos os outros campeonatos no exterior já começaram. Não sabemos ainda em quem pensar", assinala o técnico. Celso Barbuto, gerente de esportes da Finasa, garante que está aberto às sugestões de Zé Roberto e da comissão técnica. "Claro que a situação nos prejudica. Fazemos todo o planejamento em torno, principalmente, da levantadora. Agora precisamos ver as sugestões que eles podem nos dar para podermos estudar a possibilidade de trazer alguém", declara. Por enquanto, quem vai "segurar o rojão" no time é a reserva Ana Cristina. "Vamos precisar da colaboração de todas para conseguirmos nos manter entre as melhores equipes. Pode ser uma chance de eu crescer e ajudar mais a equipe", garante Ana, que tem 22 anos e 1,72. A terceira levantadora é Danielle Lins, que ainda não foi liberada pelo departamento médico por causa de uma arritmia cardíaca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.