Fitzgerald diz que faria sacrifícios para ter Boldin no Cardinals

Wide receiver quer manter a base que levou a equipe do Arizona Cardinals ao seu primeiro Super Bowl

EFE,

29 de janeiro de 2009 | 16h46

O wide receiver e grande estrela do ataque aéreo do Arizona Cardinals, Larry Fitzgerald, quer que seu companheiro de equipe Anquan Boldin fique e, para isso, diz estar disposto até a mudar seu próprio contrato.Veja também:Big Ben quer apagar imagem negativa do Super Bowl de 2006Às vésperas do Super Bowl, Warner é destaque no 'Media Day' Cardinals e Steelers chegam otimistas ao Super Bowl Fitzgerald, que já está em Tampa para disputar o primeiro Super Bowl na história do Cardinals, contra o Pittsburgh Steelers, reiterou estar disposto a ajudar a equipe nesse sentido quando perguntado se faria sacrifícios para ter Boldin a seu lado."Não há nenhum problema. Viver essa experiência de estar na grande final é um sentimento incrível e farei tudo o que foi possível para que isto se repita em minha carreira", destacou Fitzgerald.Ninguém questiona na NFL que a dupla formada por Fitzgerald e Boldin é a melhor de wide receivers atualmente em atividade. Como era de se esperar, os dois também foram selecionados para o próximo Pro Bowl, o all-star game da NFL, quando no próximo domingo ficar definido o novo campeão da liga.Boldin reagiu agradecendo pela atitude de seu companheiro, com quem disse ter construído uma grande amizade que não queria que acabasse. "Durante os últimos cinco anos estivemos juntos com a equipe e é algo que não queremos que acabe", destacou Boldin. "Existe um respeito mútuo, não só como receivers, mas também como amigos e isso permite que tudo o que fizermos no campo seja mais fácil", acrescentou.Fitzgerald assinou um contrato por quatro anos e US$ 40 milhões a partir da temporada de 2007. Já Boldin ainda tem dois anos do contrato dos quatro que assinou no valor de US$ 22,8 milhões depois de 2005.O general manager do Cardinals, Rod Graves, disse que quando terminar o Super Bowl estará pronto para iniciar as conversas com Drew Rosenhaus, agente de Boldin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.