''Fiz o meu melhor, mas não foi suficiente'', lamenta Gay

Para o rival americano, medalha de prata com 9s77, Usain Bolt mostra que ser humano está em outro nível

BERLIM, O Estadao de S.Paulo

17 de agosto de 2009 | 00h00

O americano Tyson Gay acreditava ser o único homem que poderia ameaçar a hegemonia de Usain Bolt nos 100 metros rasos. Mas ontem, em Berlim, mesmo com a melhor performance de sua vida, percebeu que não pôde competir com o fenômeno jamaicano. "Fiz o meu melhor, mas não foi suficiente", disse o velocista, longe de se lamentar. "Tive uma corrida fabulosa."Gay fechou a tríplice coroa da velocidade no Mundial de Osaka, em 2007, ao vencer os 100 m, 200 m e os 4 x 100 m. Na Olimpíada de Pequim não pôde repetir tal desempenho, pois lutava contra uma lesão. Viu, da arquibancada, Bolt dominar as provas em que havia sido hegemônico um ano antes. Nesta temporada, sempre foi mais rápido. Tanto que, até ontem, detinha a melhor marca do ano: 9s77.Com os 9s71 na pista de Berlim, Gay se torna o mais rápido velocista dos Estados Unidos em todos os tempos. "Estou muito feliz com a medalha de prata, pois fizemos uma prova sensacional", disse o norte-americano, que fez questão de elogiar o adversário jamaicano. "Eu havia dito que o tempo da prova poderia chegar aos 9s5, como chegou. Estou também muito feliz pelo feito obtido por Bolt. Isso mostra que o ser humano atingiu um nível superior nos 100 metros rasos."Apesar da derrota no Mundial, Tyson Gay ainda não se considera derrotado por Bolt. "Eu ainda estou confiante de que poderei melhor este tempo algum dia", afirmou o atleta de 27 anos.CONTUSÃOTyson Gay vai anunciar hoje se vai competir na prova dos nos 200 metros rasos. O norte-americano sente dores na virilha desde o início dos treinamentos para o Mundial da Alemanha. "Mas este problema não é uma desculpa para não ter conseguido a medalha de ouro nos 100 metros", afirmou Gay.O atleta vai se reunir com os médicos da delegação dos Estados Unidos para decidir se participa das eliminatórias dos 200 metros amanhã. Caso decida por competir, Gay terá ainda as semifinais na quarta-feira e a final está prevista para quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.