Fla bate Flu e só Vasco pode estragar a festa

Nos pênaltis, goleiro Felipe se destaca e leva o Rubro-negro, campeão da Taça Guanabara, para a decisão da Taça Rio

Bruno Lousada / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2011 | 00h00

O goleiro Felipe, novamente, deixou o Engenhão como herói. A exemplo da semifinal da Taça Guanabara, o camisa 1 brilhou na disputa por pênaltis, desta vez contra o Fluminense, e ajudou a levar o Flamengo, ainda invicto na temporada, para a decisão da Taça Rio.

Após empate no tempo regulamentar por 1 a 1, a torcida rubro-negro entoou o nome de "Felipe" várias vezes, numa demonstração de extrema confiança. Ele se agigantou, defendeu duas cobranças - uma de Araújo e outra de Tartá - e o time da Gávea venceu por 5 a 4 nas penalidades.

Se superar o Vasco na final, no próximo domingo, no Engenhão, o Flamengo vai se sagrar campeão carioca por antecipação, pois ganhará os dois turnos. "Pênalti é loteria, é acertar o canto e, graças a Deus, deu tudo certo", disse o goleiro, que, antes das batidas, rezou muito.

"Enquanto estiver dando resultado, excelente. Mas, domingo, contra o Vasco, não quero que vá para os pênaltis não. Desejo que o Flamengo seja campeão durante os 90 minutos", afirmou Felipe.

A cada entrevista, os jogadores do Flamengo ressaltaram a união e o poder de superação do time, que atuou sem Ronaldinho Gaúcho e Maldonado, machucados, e ainda perdeu o lateral-direito Leonardo Moura, contundido, no início do Fla-Flu.

O jogo foi tenso, emocionante e teve até apagão. Aos 12 minutos de bola rolando, os refletores do Engenhão pararam de funcionar por conta da forte chuva. O confronto, então, foi paralisado. Após alguns minutos, o árbitro Péricles Bassols Cortez retomou a partida, apesar da iluminação parcial no estádio. Em seguida, os dois goleiros reclamaram da baixa visibilidade e o clássico parou novamente.

Assim que o duelo recomeçou, o Fluminense fez 1 a 0. Marquinho lançou a bola na área, o zagueiro Gum ajeitou de cabeça e Rafael Moura, em posição irregular (estava impedido), desviou para o fundo da rede. A equipe tricolor foi melhor na primeira etapa e poderia ter ampliado o placar.

Não fez isso e pagou caro. Talvez por causa do desgaste provocado pela classificação épica na Taça Libertadores na última quarta-feira, o Fluminense deixou o Flamengo crescer no segundo tempo e sofreu o empate: gol do meia Thiago Neves, de cabeça.

Com a derrota na disputa por pênaltis e o fracasso no Carioca, só resta ao Tricolor reerguer a cabeça para mais uma "decisão": vai receber o Libertad, quinta-feira, no Engenhão, pelas oitavas de final da Libertadores. Revigorado, o Flamengo visita o Horizonte, quarta-feira, no Ceará, pela Copa do Brasil, e precisa vencer ou empatar por dois gols ou mais para evitar eliminação precoce.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.