Fla derrapa em Maracanã ilhado por lamaçal

Time só empata por 2 a 2 com Universidad do Chile e é abandonado pela torcida, que não teve [br]como chegar ao estádio

Sílvio Barsetti, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2010 | 00h00

Flamengo e Universidad do Chile empataram por 2 a 2 em jogo de cinco gols disputado ontem à tarde no Maracanã, pela Taça Libertadores. O outro gol, contra, surgiu de uma parceria entre Flamengo e governo do Estado. A dupla trabalhou incansavelmente para a realização da partida no estádio apesar da tragédia que acomete o Rio desde segunda-feira e das condições precárias de locomoção em vários bairros.

Num Maracanã ilhado por grande quantidade de lama, 20 bombeiros e 400 policiais militares deixaram de ajudar no resgate de vítimas soterradas em vários morros da região metropolitana do Rio para dar segurança aos torcedores - pouco mais de 15 mil pessoas se aventuraram a ir ao estádio, numa outra tarde chuvosa na capital fluminense.

O jogo mobilizou o poder público desde cedo. Durante todo o dia, 120 funcionários da companhia de limpeza urbana tentaram maquiar o entorno do estádio, enquanto em outros bairros próximos, na Tijuca, e mais distantes, nos arredores da Barra da Tijuca e do Recreio, moradores nem conseguiam sair de casa por causa da quantidade de lixo e lama nas vias.

A presidente do Flamengo, Patricia Amorim, alegou que o adiamento do jogo pela segunda vez - seria realizado inicialmente na quarta-feira - "poderia não ser favorável" ao clube. Contou com a solidariedade do governador Sergio Cabral, com quem conversou por telefone anteontem para a definição da data, local e horário da partida.

Em campo. Montillo abriu o placar, ainda no primeiro tempo, e levantou dezenas de chilenos que ocupavam com entusiasmo um setor das cadeiras azuis. O Flamengo atuava mal e a torcida vaiou a equipe no intervalo. Pedia raça ao time e queria Petkovic em campo. O sérvio, do banco de reservas, ouvia o apelo com um leve sorriso.

O time da casa voltou mais veloz, Michael empatou e Leonardo Moura virou o placar, após jogada que teve participação decisiva de Petkovic. Nos acréscimos, Rodriguez chutou forte de esquerda e fez a festa para o time chileno, líder do Grupo 8 da Libertadores. O Flamengo continua em segundo lugar.

Um dado curioso no borderô da partida expressa a dificuldade do torcedor para chegar ao Maracanã. O público pagante foi de 16.784, mas havia 15.361 pessoas no estádio. Em parte, essa diferença se justifica pelo horário original do jogo - 21h50 de quarta-feira. A diretoria do Flamengo vai se reunir na segunda-feira para definir o que fazer com quem comprou ingresso e não pôde ir ao Maracanã. A tendência é que devolva o dinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.