Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Flamengo 'blinda' Jade e a proíbe de dar entrevistas

Motivo é a briga do pai com a confederação de ginástica artística, pela lesão grave no pulso direito

Milton Pazzi Jr., estadao.com.br

12 de setembro de 2008 | 11h25

O Flamengo resolveu criar uma couraça em Jade Barbosa para não prejudicar ainda mais a recuperação de sua lesão no pulso direito. Ela está proibida de dar entrevistas e pode até não disputar a finalíssima da Copa do Mundo de ginástica artística, em dezembro, por estar envolvida numa briga com a Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), que é acusada de esconder o problema, com o arquiteto César Barbosa, pai da atleta. Veja também: Pai de Jade culpa confederação por lesão da atletaA decisão de mantê-la longe dos jornalistas, tomada pela vice-presidência de Esportes Olímpicos do clube, não tem prazo para terminar, já entendo a polêmica que o caso criou. "Só estamos pensando na recuperação dela. [Os jornalistas] só poderão fazer imagens. Eu não tenho detalhes de como foi o trabalho com ela na Olimpíada, porque não estava lá. Mas confirmo que a lesão é grave e agora temos muito a fazer", diz o técnico da ginasta no Fla, Ricardo Pereira.Com muita fisioterapia e exercícios em academia, a intenção do clube é recuperá-la para o principal evento do esporte. É certo que Jade não participará da etapa da Copa do Mundo agora em outubro. "A Jade não pode nem pegar num mouse. Ela toma remédios para se recuperar e treina os outros segmentos normalmente", reforça Pereira. A lesão no pulso direito, segundo relato da assessoria de Imprensa do clube, é resultado de um desgaste que faz com que tenha um pulso como o de uma pessoa de 50 anos.A acusação mais recente foi feita pela atleta, que diz ter tomado o remédio Prexige, antiinflamatório com comercialização suspensa pela suspeita de causar efeitos colaterais, em quantidade acima da recomendada - até três comprimidos por dia, ao invés de um - para poder disputar a Olimpíada de Pequim. A CBG, mediante a acusação, anunciou que concederá uma entrevista coletiva nesta sexta em Curitiba com a presença do médico da entidade, Mário Namba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.