Flamengo vence nos pênaltis e vai à decisão

Após empate por 1 a 1 no tempo normal, Botafogo perde 3 cobranças e time de Ronaldinho Gaúcho faz final com Boavista

Bruno Lousada, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2011 | 00h00

O goleiro Felipe jamais vai esquecer o dia de ontem. Contratado no início da temporada para suprir a ausência de Bruno, preso no ano passado sob acusação de participar do assassinato da ex-amante Eliza Samudio, o camisa 1 deixou o Engenhão como herói do Flamengo. Ele brilhou na disputa por pênaltis. Tornou-se um paredão. Defendeu duas cobranças - uma do volante Somália e outro do meia Éverton - e ajudou a equipe rubro-negra a derrotar o Botafogo por 3 a 1, depois de empate no tempo regulamentar por 1 a 1 (gols de Ronaldo Angelim e Loco Abreu). Com isso, o time da Gávea vai decidir no próximo domingo o título da Taça Guanabara contra o Boavista.

Felipe vibrou muito com a classificação. Ao ver o meia Renato Cajá cobrar para fora a penalidade que garantiu a vitória do Flamengo, correu em direção à torcida para festejar. Diante dos gritos de "Felipe, Felipe" vindos da arquibancada, ele teve a certeza de que está no caminho certo para virar o novo ídolo dos rubro-negros.

"Temos que comemorar muito essa vitória. A partida tornou-se muito difícil, e o resultado foi importante", disse o goleiro, emocionado, enquanto era cumprimentado pelos companheiros. "Depois da festa, com mais calma, vamos nos concentrar na final contra o Boavista."

Não foi só Felipe que brilhou na partida de ontem. Novamente, o goleiro Jefferson, do Botafogo, teve atuação de gala. Destacou-se com pelo menos duas defesas incríveis durante os 90 minutos. Deixou mais uma vez boa impressão, agora sob o olhar atento do técnico da seleção, Mano Menezes, que assistiu ao clássico da tribuna.

O confronto de ontem pode ser resumido assim: o Flamengo dominou o primeiro tempo. Largou na frente, gol de cabeça do zagueiro Angelim, após escanteio, e quase ampliou em bela cabeçada do meia Thiago Neves - o goleiro Jefferson salvou.

Já o Botafogo, liderado pelo atacante Loco Abreu, foi melhor na etapa final. O uruguaio chamou a responsabilidade e levou à loucura o sistema defensivo do Flamengo. Aos três minutos, ele dominou a bola, girou e bateu no cantinho direito de Felipe: 1 a 1.

O clássico incendiou de vez. O Botafogo reclamou de dois pênaltis não marcados e os dois goleiros tiveram bastante trabalho até o apito final. Em seu primeiro clássico desde o acerto com o Flamengo, o meia Ronaldinho Gaúcho ainda não rendeu o que tanto se espera dele.

Não jogou mal, é verdade, deu bons passes, mas não roubou a cena. "É maravilhoso em tão pouco tempo já chegar a uma final. Espero chegar bem e fazer uma grande decisão", declarou Ronaldinho. Ontem, ele fez sua melhor jogada, até o momento, pela equipe carioca. Após cruzamento, ajeitou a bola na área alvinegra, girou livrando-se de Somália e chutou no cantinho esquerdo. A bola passou rente à trave. Muito pouco ainda para seu salário milionário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.