Florianópolis, tri incontestável

Com atuação de gala de Bruninho, equipe supera o Minas por 3 sets a 0 no Maracanãzinho

Sílvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

20 de abril de 2009 | 00h00

Um show de aplicação, técnica e equilíbrio. Foi assim a conquista, irretocável, do Florianópolis que se sagrou ontem campeão pela terceira vez da Superliga masculina de vôlei. O time todo teve atuação nota 10 na partida em que derrotou o Minas por 3 sets a 0, com parciais de 29/27, 25/16 e 25/18. O Maracanãzinho recebeu grande público e reverenciou sobretudo o levantador Bruninho, filho do ex-craque Bernardinho, campeão no sábado, como técnico do Rio de Janeiro, da Superliga feminina. O atleta comandou o Florianópolis com inversões e assistências perfeitas. No final, emocionado, dedicou o título às vítimas dos temporais que atingiram Santa Catarina no fim do ano passado. Eleito o melhor levantador da Superliga, Bruninho deixou a modéstia de lado para enaltecer o time campeão. "Fomos impecáveis e conseguimos uma vitória incrível, com muita luta, sob muita pressão. Depois do primeiro set, o Minas se desestabilizou."Esse desajuste do vice-campeão foi provocado em parte pela competência do líbero Mário Júnior, muito bem na recepção, e do versátil Theo, com seus ataques e saques precisos. Os dois atletas do Florianópolis se juntam a Bruninho na lista dos que mereciam receber nota 11 pelo jogo de ontem. Theo já brilhava e acabou coroando sua atuação com os dois saques finais da partida. No que determinou o 24º ponto do Florianópolis, a bola bateu e pareceu correr na linha de cima da rede para cair caprichosamente na quadra oposta. No ponto seguinte, ele soltou o braço e fez um ace. A potência do saque final ecoou pelo ginásio como uma explosão, pois a maior parte da torcida era de gente que veio de Santa Catarina em caravanas de ônibus.Esse público chegou a ficar apreensivo com o início avassalador do Minas. Com um time mais experiente, em que se destacavam André Heller e André Nascimento, ficou boa parte do primeiro set na frente do marcador. Minas estava bem nos bloqueios, mas errava ataques. No meio do set, Florianópolis reagiu e tornou o jogo emocionante. O placar de 29 a 27 refletiu o equilíbrio no início da decisão.No segundo e terceiro set, a supremacia de Florianópolis ficou evidente. Lucão, outro gigante do time campeão, parecia imbatível quando subia à rede ora para cortar, ora para bloquear. Tinha quase sempre a companhia de Thiago Alves, o melhor atacante da Superliga.Bruninho continuava desequilibrando. Aproveitava bem os contra-ataques, com um leque de variações de jogadas que deixava a equipe do Minas atordoada. Chegou a dar a vistosa largadinha de segunda bola para abalar ainda mais o adversário.O segundo set foi vencido com certa facilidade, 25 a 16. Esperava-se um terceiro set mais disputado, com um provável relaxamento do Florianópolis. O técnico do Minas, Mauro Grasso, pedia a cada intervalo que seus jogadores atuassem com alegria e vibrassem em quadra.Seus apelos não surtiram resultado. Em pouco mais de 20 minutos, os campeões venceriam o derradeiro set por outra diferença considerável - 25 a 18. "Foi uma campanha maravilhosa, com o comprometimento total do nosso grupo", festejou o técnico Marcos Pacheco, abraçado aos outros campeões da Superliga - Renato, Éder, Joel, Jamelão e Kid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.