Flu evita oba-oba da praia por treino nas Laranjeiras

Comissão técnica do líder não quer que o clima de 'já ganhou' possa [br]prejudicar o time a dois jogos do título

Leonardo Maia, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2010 | 00h00

RIO

Com cronistas e torcida a decretar o título brasileiro como garantido, a comissão técnica do Fluminense resolveu adotar a postura do "todo cuidado é pouco". Ninguém quer ver o troféu escapar por entre os dedos contra um Palmeiras reserva e desmotivado e um Guarani provavelmente rebaixado. Seja por excesso de confiança, seja pelo consagrado e famigerado oba-oba. Por isso, o treino de ontem marcado para a Praia do Leme, que certamente provocaria grande alvoroço de torcedores e clima festivo, foi transferido para as Laranjeiras, onde os titulares puderam se isolar.

"O torcedor está como a gente. Na expectativa para gritar é campeão. É difícil controlar o clima de euforia. Temos que ter tranquilidade", comentou Mariano, que confessou que a liderança a duas rodadas do fim aumenta a ansiedade por uma conquista que não vem há 26 anos.

"A ansiedade cresce a cada dia que passa. Mas ainda faltam 180 minutos para comemorarmos. Temos de saber administrar para que isso não nos atrapalhe", ponderou o lateral.

Segundo o jogador, fica mais difícil controlar os nervos com o falatório acerca da postura aparentemente desinteressada do São Paulo, na última partida, e a possibilidade de que isso se repita contra os palmeirenses. Para Mariano, o mais importante neste momento é a equipe tricolor se preocupar apenas com suas próprias obrigações.

"Não posso dizer como o Palmeiras vai entrar em campo. Vamos fazer a nossa parte. Se eles vão entrar de corpo mole, com os reservas, com os juvenis, isso não nos interessa", retrucou, para dizer que não tomou conhecimento das declarações debochadas do técnico Luiz Felipe Scolari e que não poderia comentar se elas seriam indicativas do descaso do time alviverde com o jogo de domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.