Flu, rival ideal para o Santos

Equipe paulista, que não se firma na competição, busca a reabilitação contra o lanterna

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

O Santos vai colocar seu futuro em jogo hoje às 16 horas, na Vila Belmiro e o adversário não poderia ser, teoricamente, melhor: o Fluminense, pior time do Campeonato Brasileiro, com apenas 16 pontos ganhos em 48 disputados. Com uma vitória, o time de Vanderlei Luxemburgo não só mantém as esperanças de continuar na briga pela classificação para a Taça Libertadores da América de 2010, como se recupera da derrota diante do Goiás e do empate em casa contra o Internacional, além de ganhar força para o clássico contra o Corinthians, quarta-feira, no Pacaembu. Mas nem tudo é facilidade. André, de 19 anos, formado pelo Cabofriense, será o substituto de Kléber Pereira, suspenso. Será a primeira vez que ele inicia como titular e a responsabilidade de entrar no lugar do responsável por quase a metade dos gols do time nos dois últimos anos não assusta. "A vida de centroavante não é fácil. Basta ver o que acontece com Kléber Pereira. A torcida pega pesado, porque exige gols e vitórias", observou. "Estou confiante e acredito que vou balançar as redes pelo menos uma vez." André gostou de sua produção no coletivo de sexta-feira, atuando adiantado, fazendo o pivô para os companheiros que vinham de trás. "Madson e Paulo Henrique Ganso vão cair pelas pontas e cruzar para eu finalizar. É como eu jogava nos juniores e por isso acho que não vou ter dificuldade", acrescentou. Apesar da fragilidade do Fluminense, Luxemburgo deve desistir de armar o time com dois volantes de marcação e optar por três atletas da posição no meio de campo. Contra o Inter, com dois volantes, o Santos sofreu três gols pela primeira vez desde a sua chegada, além de ter ficado duas vezes em vantagem no marcador (2 x 0 e 3 x 2) sem conseguir vencer. Rodrigo Souto contou que o resultado fez com que refletisse sobre o time. "Me pergunto por que o time perde aqui e ali, depois de ter mostrado força. E não encontro explicação", afirma. "Mas acho que, se os jogadores falarem mais, um procurando corrigir a posição do outro, e o time puser a bola no chão, vamos melhorar muito", sugeriu. Souto torce para que Emerson se recupere das dores na panturrilha direita para ser escalado no lugar de Rodrigo Mancha, suspenso. "Emerson tem muita vivência e pode ajudar bastante. Se ele estiver em campo, vai jogar sempre bem, independentemente da formação, mesmo porque não acho que com três volantes o time fique mais defensivo. Luxemburgo dá liberdade para a gente sair para o jogo", concluiu o volante. Paulo Henrique Ganso acredita que, apesar dos desfalques, o Santos tem de ganhar o jogo. Mas não espera facilidade. "O Fluminense precisa de duas vitórias para sair da zona de rebaixamento e vai se matar em campo para se livrar dessa situação. Além disso, é um time que merece respeito porque tem jogadores de qualidade, como Conca, Roni, que nós conhecemos bem, e outros", analisou.No Flu, em crise, o técnico Renato Gaúcho afirmou que nem o empate será considerado bom resultado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.