Fluminense tenta se concentrar na Taça Rio

Equipe de Abel Braga disputa vaga na final hoje com o Volta Redonda, mas está com a cabeça em jogo da Libertadores

RIO, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2013 | 02h05

O Fluminense encara hoje o Volta Redonda pela semifinal da Taça Rio, mas não há como negar: quase todos no clube estão com a cabeça no primeiro jogo das oitavas da Libertadores, quinta-feira, contra o Emelec, no Equador.

O time tricolor precisa apenas de um empate hoje para chegar à final da Taça Rio, que vai ter de ganhar para fazer a final do Estadual contra o Botafogo.

O técnico Abel Braga vai mandar a campo o que tem de melhor em mãos. Fred, contundido, continua vetado. Além dele, outro que ficará fora é o zagueiro Gum. Digão será o seu substituto. Já o meia Thiago Neves, que se recuperou de um estiramento na panturrilha esquerda sofrido no início de março, ainda está sem ritmo de jogo e, por isso, vai começar a partida no banco de reservas.

"O Gum jogou na semana passada e depois perdeu alguns treinamentos. Ele voltou a trabalhar, mas um dia só é pouco e ele está fora. Tanto que o Digão participou do treinamento de bolas paradas. Já o Thiago está recuperado, mas não 100%. Vamos ver se ele consegue jogar um pouco", disse o técnico.

Para Abel, o rótulo de favorito pode ser prejudicial para o time. Isso porque leva a torcida a pressionar a equipe em busca de um gol logo nos primeiros minutos. Embora a partida seja disputada em Volta Redonda, os tricolores certamente serão maioria no estádio.

"Aumenta a nossa responsabilidade. Não gosto deste negócio de favoritismo", declarou Abel Braga. Ele elogiou o Volta Redonda e lembrou de outro confronto decisivo entre as equipes - a final do Campeonato Carioca de 2005, em dois jogos. No primeiro, o time da Cidade do Aço venceu por 4 a 3. No outro, a equipe chegou a fazer 1 a 0, mas acabou derrotada pelo Fluminense por 3 a 1, com o gol do título sendo marcado apenas aos 47 minutos do segundo tempo.

"Essa semifinal tem outra característica, temos a vantagem do empate, mas é um jogo extremamente perigoso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.