Surpresa. Kaio não esperava o bronze na prova de ontem
Surpresa. Kaio não esperava o bronze na prova de ontem

Força Brasileira

País cresce, mostra que não depende apenas de Cielo para fazer bom papel nas competições de ponta e ganha mais dois bronzes em Dubai

, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2010 | 00h00

Cesar Cielo não disputou nenhuma final ontem, mas nem por isso o Brasil ficou sem medalhas no segundo dia de competições do Campeonato Mundial de Piscina Curta, disputado em Dubai. Confirmando a expectativa de que o time nacional não dependeria de um só talento para chegar ao pódio, Kaio Márcio e Felipe França saíram da piscina com um bronze cada, respectivamente nos 100 metros borboleta e 100 metros peito.

Apesar de ter passado em branco na última edição, em Manchester/2008, o Brasil costuma frequentar com certa assiduidade os pódios do Mundial de Piscina Curta desde a primeira edição do evento, em 1993. De lá para cá, os brasileiros já conquistaram 8 medalhas de ouro, 6 de prata e 10 de bronze - contando com os resultados de ontem e o bronze do revezamento 4 x 100 m livre, anteontem. Gustavo Borges é o atual recordista entre os nadadores do País, com cinco ouros no currículo. A melhor participação nacional na competição ocorreu em 1995, no Rio, quando os nadadores ganharam três ouros, duas pratas e um bronze.

Ontem, Kaio e França reagiram de forma distinta às suas medalhas. Enquanto o primeiro ficou positivamente surpreso com o resultado por não ser sua prova principal, o segundo esperava um desempenho melhor, semelhante ao das eliminatórias. A dupla, porém, terá outras chances de conseguir pódio em Dubai.

"Foi muito bom. Eu nem contava com essa medalha porque não é mais a minha especialidade, mas já fui campeão mundial nela (em Xangai/2006). Então considero que é uma prova que me dá sorte", disse Kaio. "Estamos fazendo tudo para representar bem o Brasil e os 200 metros é a minha prova. Agora é descansar para domingo para conseguir a segunda medalha. Espero!", declarou o nadador, bronze com o tempo de 50s33. O vencedor foi o russo Evgeny Korotyshkin (50s23), seguido do venezuelano Alberto Subirats (50s24).

Novidade. O resultado foi particularmente animador para Kaio, que estreou em competições uma nova forma de respiração, de lado, inspirada no russo Denis Pankratov. Antes, respirava de frente, como a maior parte dos nadadores. "Não é fácil depois de dois recordes mundiais (em piscina curta) a gente mudar o treinamento." O resultado de ontem deu confiança ao brasileiro de que está no caminho certo.

O bronze de França foi comemorado, mas o nadador sentiu que poderia ter feito mais. Nas eliminatórias dos 100 metros peito, anteontem, o nadador estabeleceu a marca de 57s19 o que na final seria suficiente para lhe garantir uma medalha de prata. "Me senti melhor ontem, mas consegui o pódio e agradeço a Deus por ele", afirmou França sobre o resultado em sua competição principal em Dubai. O nadador estabeleceu a marca de 57s39, atrás do sul-africano Cameron van der Bourgh (56s80) e do italiano Fabio Scozzoli (57s13).

Chance. França ainda tem mais duas possibilidades de medalha, nos 50 e 200 metros peito, mas não gosta de fazer planos antecipadamente. "Sempre pensei alto e quero sempre muito mais. Sobre as próximas provas, pensamos até a disputa de hoje (ontem) e dou um passo de cada vez, mas tenha certeza que vou entrar pra ganhar".

Outros brasileiros que disputaram final foram Guilherme Guido nos 100 m costas e o time do revezamento 4 x 200 metros livre. Ambos ficaram com o 8.º lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.