Claude Paris/AP
Claude Paris/AP

Fórmula 1: Hamilton entra em rota de colisão com Massa e Maldonado

Brasileiro reivindicou punição mais severa para o britânico, que insinuou ser vítima de racismo

LIVIO ORICCHIO, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2011 | 00h00

MONTECARLO - De um lado no ringue, Lewis Hamilton, da McLaren. Do outro, muitos de seus colegas, liderados por Felipe Massa, Ferrari, e Pastor Maldonado, Williams. Na 33.ª volta do GP de Mônaco de Fórmula 1, de um total de 78, Hamilton tocou de lado na Ferrari de Massa na curva Lowes, a mais lenta de todo o traçado de rua do circuito, no domingo.

"Ele veio para cima de mim onde não havia espaço, bateu em mim e eu com a asa dianteira no Webber. Quando chegamos no túnel, eu não consegui fazer a curva, mas por causa do que aconteceu antes", disse Massa.

Para o piloto da Ferrari, não há o que discutir: "Ele tem de ser punido e fortemente senão nunca vai aprender". Foi o terceiro GP em que Massa não marca pontos. Diante da superioridade de Fernando Alonso, seu companheiro, o melhor piloto em atividade da Fórmula 1, sua função principal na equipe passa a ser esta, marcar pontos. Será fundamental cumpri-la.

Contra-ataque. Hamilton também atacou duramente os colegas e os comissários. Seu discurso depois da prova e registrado pela BBC foi contundente. "De seis etapas, fui convocado para me explicar em cinco, é ridículo." Ao lhe perguntarem a razão, disse: "Não sei, talvez por seu ser negro."

Falando a alguns jornalistas brasileiros, Hamilton afirmou: "Parece muito o que viveu Ayrton Senna. Tem sido assim comigo desde 2007 (sua estreia na F-1)".

Os comissários o chamaram para se explicar e Hamilton definiu suas palavras como "uma piada de mau gosto". O episódio terminou ali, mas Hamilton corre no Canadá, dia 12, como se fosse um jogo de futebol e já tivesse recebido um cartão amarelo.

O inglês, campeão do mundo de 2008, negou qualquer responsabilidade no acidente com Massa, pelo qual recebeu um drive through, e no que gerou o abandono de Maldonado, a quatro voltas da bandeirada, quando o venezuelano ocupava excelente sexto lugar, no seu melhor desempenho na Fórmula 1.

Otimismo. Maldonado comentou o acidente: "Hamilton foi otimista demais em querer me passar naquele ponto, daquela forma." O piloto da McLaren recebeu 20 segundos de acréscimo ao seu tempo de volta, mas a punição não teve um efeito prático: não perdeu nenhuma posição. Ficou em sexto.

Trata-se do piloto mais combativo da Fórmula 1 atual. Garantia de espetáculo. Mas por vezes, se excede. A punição foi, como comentou Massa, branda demais.

Veja taambém:

som ESTADÃO ESPN - Após colisão com Massa e Maldonado, Hamilton insinua ser vítima de racismo

video ESPN - VÍDEO: Em corrida tumultuada, Vettel vence em Mônaco; Massa abandona, e Rubinho é 9.º

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.