Estadão
Estadão

Fortaleza corre para fazer últimos ajustes no Castelão

Os próprios trabalhadores admitem achar difícil deixar o estádio 100% até o jogo

FERNANDO FARO - Enviado especial, Agência Estado

18 de junho de 2013 | 19h48

FORTALEZA - É consenso que o entorno do Castelão só estará em condições ideais para a disputa da Copa do Mundo, no ano que vem, mas a Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) de Fortaleza organizou um mutirão para tentar minimizar o impacto das muitas obras e detalhes que ainda carecem de acabamento antes da partida entre Brasil e México, nesta quarta.

Em caminhada ao redor da Arena, a reportagem encontrou uma série de pontos que serão finalizados praticamente ao mesmo tempo do apito inicial. A começar pelo principal acesso do estádio, pelas avenidas Alberto Craveiro e Paulino Rocha, que continuam sendo asfaltadas e compactadas e têm gerado grande congestionamento que se reflete em outras vias menores.

A Alberto Craveiro ganha, às pressas, um cascalho para ser utilizado como canteiro central (a promessa é da construção de uma ciclovia no local). Quando se aproxima do estádio, pedaços de grama se empilhavam para serem plantados para embelezarem o ambiente. As calçadas também apresentaram falhas, muitas estavam com o cimento fresco e esperando o revestimento de blocos. Além disso, diversos caminhões com entulho estavam estacionados.

Os próprios trabalhadores admitem achar difícil deixar o Castelão 100% até o jogo, mas não desanimaram com o tamanho do desafio. "Vai ter que dar certo e a gente vai trabalhar bastante para isso acontecer. Mas é difícil mesmo (deixar tudo pronto), vamos correr", disse Adeulino Damasceno, que trabalha nas obras como ajudante geral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.