FPF aguarda orientação da Fifa sobre novos árbitros

Principal novidade em 2011 será a presença de juízes posicionados atrás dos gols. Preparação começa amanhã

Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

Há expectativa entre os dirigentes da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF). Isso porque é esperada para os próximos dias a chegada de um documento especial da Fifa. Nele, a entidade explica como trabalhar com mais dois árbitros posicionados atrás dos gols, principal novidade do Campeonato Paulista de 2011.

A pressa pela chegada das orientações é fácil de entender. A partir de amanhã, 60 árbitros e 60 assistentes paulistas começam a fase de preparação para o Estadual. "Sem dúvida neste ano teremos uma atenção ainda maior, pois precisamos treinar a arbitragem para trabalhar com essa novidade (a presença de mais dois integrantes, chamados assistentes adicionais)", explicou o presidente da Comissão, tenente-coronel Marcos Marinho. "Para isso utilizaremos essas diretrizes da Fifa."

O dirigente explicou que os novos árbitros ficarão posicionados na linha de fundo, do lado contrário ao utilizado pelos auxiliares tradicionais, ou seja, à direita dos goleiros. E mesmo antes de os treinamentos começarem, algumas mudanças no trabalho do árbitro já ficaram claras. "As experiências que já analisamos mostram que a linha diagonal percorrida pelos árbitros fica menor", observou Marinho, que fez questão de destacar: "Nem por isso o teste físico ficará menos exigente."

A maneira como os novos integrantes da arbitragem participarão da partida ainda é motivo de debate. Está definido que eles não trabalharão com a tradicional bandeira. O único dispositivo que terão à disposição é o rádio. "Além disso, tem todo um gestual, um contato visual que será fundamental. Por isso precisamos ensaiar", observou o tenente-coronel. "Além de acompanhar melhor o que acontece dentro da área, a presença desses árbitros adicionais fará com que os atletas evitem o cai-cai", afirmou.

Polêmica. Para Marinho, as polêmicas que marcaram a atuação dos árbitros paulistas Sálvio Spínola e Paulo César de Oliveira na última rodada do Campeonato Brasileiro não passaram de "azar". "Foram marcações milimétricas, sobretudo as ocorridas na partida de Campinas (Guarani x Corinthians, apitada por Spínola)", analisou.

Para o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, é preciso dividir responsabilidades. "Foram atribuídos erros aos árbitros que, na verdade, foram de marcação dos assistentes", observou. "Por isso pedi à Silvia Regina (diretora da Escola de Arbitragem da FPF) que redobrasse a atenção com relação aos assistentes. O resultado já apareceu em 2010, com um desempenho superior aos dos outros anos."

NOMENCLATURA

MARCOS MARINHO

Presidente da C. de Arbitragem

"Se antes era trio, confesso que ainda não definimos se chamaremos de quinteto"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.