Fraca trajetória como técnico depõe contra

El Diez comandou apenas duas equipes do banco e reservas e, em 23 jogos, obteve só duas vitórias

Ariel Palacios, O Estadao de S.Paulo

30 de outubro de 2008 | 00h00

Diego Armando Maradona é apontado como o melhor jogador de futebol da Argentina de todos os tempos. Muitos argentinos até consideram que foi o mais emblemático astro do futebol mundial. Mas também admitem que, como técnico, El Diez (O Dez) foi um zero à esquerda. Sua trajetória nesse cargo foi breve - e careceu de brilho. Contudo, foi plena de polêmicas e de críticas.Maradona foi técnico duas vezes. Ele debutou nesse posto em 1994, época em que estava suspenso por acusações de doping (pelo uso de efedrina) durante a Copa dos Estados Unidos, em 1994. Para reciclar sua carreira, em outubro daquele ano Maradona assumiu o comando do Mandiyú, um time da província de Corrientes, desconhecido do grande público antes da chegada de El Diez.No Campeonato Apertura daquele ano, o Mandiyú, sob o seu comando, disputou doze jogos. O treinador só ganhou um embate, empatou seis e perdeu cinco. El Diez permaneceu por apenas dois meses no cargo.Ao voltar a Buenos Aires, Maradona tentou mais uma vez conseguir o posto de técnico. No Torneio Clausura de 1995 tornou-se treinador do Racing, um dos mais antigos times da Argentina.No comando do Racing, tal como no Mandiyú, o fracasso predominou. Em 11 jogos disputados, venceu somente dois, empatou seis e perdeu três.A estréia de El Pibe de Oro (O Garoto de Ouro), outro de seus apelidos, como técnico do time foi sombria, já que o Racing perdeu para o Ferrocarril Oeste por 1 a 0, em partida disputada em fevereiro de 1995.No entanto, existe um sentimento de gratidão dos torcedores do Racings com Maradona, já que, durante sua gestão como técnico, conseguiu romper o tabu de duas décadas e venceu por 1 a 0 o poderoso Boca Juniors no próprio estádio boquense, La Bombonera.Os torcedores do Boca perdoaram Maradona pela derrota infligida por meio de um complexo argumento psicológico: só um boquense de categoria, como Maradona, poderia fazer o Racing vencer a equipe em La Bombonera. Maradona, apesar desse triunfo, ficou no cargo somente quatro meses.CRÍTICAS ÁCIDASEm diversas ocasiões especulou-se que Maradona podia tornar-se técnico do Boca Juniors, um dos clubes pelos quais atuou como jogador e de quem é torcedor. Mas foi constantemente impedido por Maurício Macri, atual prefeito de Buenos Aires, que foi diretor do clube portenho por mais de uma década, até o ano passado. Durante todo esse período, Macri e Maradona protagonizaram um intenso intercâmbio de ácidas críticas.O currículo do maior craque argentino em todos os tempos como técnico preocupa vastos setores da torcida argentina. Teme-se que Maradona - famoso por ser briguento, ter pavio curto e sem papas na língua - possa acabar com a seleção em pouco tempo. A Argentina disputa vaga para a próxima Copa do Mundo, em 2010, na África do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.