Francês assombra na piscina

Alain Bernard faz 46s94 nos 100 m livre. Homologação do recorde mundial depende da aprovação do maiô pela Fina

Andrei Netto, O Estadao de S.Paulo

24 de abril de 2009 | 00h00

A prova mais importante da natação mundial tem um novo recordista mundial. Ou melhor, um velho conhecido. Campeão olímpico em Pequim, em 2008, o francês Alain Bernard, de quase 26 anos, quebrou ontem o recorde dos 100 metros livre, tornando-se o primeiro homem a nadar a distância em menos de 47 segundos. O feito ocorreu nas semifinais do Campeonato Francês, que está sendo realizado em Montpellier, sul do país. Esta é a quarta vez em pouco mais de um ano que o golden boy do esporte da França quebra o recorde da prova.Bernard marcou 46s94, à frente de um de seus rivais na natação francesa, Amaury Leveaux, que completou a prova em 47s76. "Eu sabia que as condições estavam reunidas para fazer algo assim", disse, ontem, ao deixar a piscina. "Me tornar o primeiro a baixar dos 47 segundos é mítico!" Até então, o recorde mundial pertencia ao australiano Eamon Sullivan, que completara o percurso em 47s05 durante as semifinais dos Jogos de Pequim.Bernard e Sullivan travam desde o início de 2008 um duelo pela melhor marca nos 100 metros e também na prova mais rápida da natação, os 50 metros livre, cujo campeão olímpico é César Cielo. Em 21 de março do ano passado, o francês conseguiu melhorar o tempo dos 100 m (47s84) que pertencia ao holandês Pieter van den Hoogenband desde os Jogos de Sydney, em 2000. Bernard foi a grande surpresa do Campeonato Europeu, em Eindhoven, ao completar a prova em 47s60. Até então, ele nunca havia conseguido nadar abaixo de 48 s.No dia seguinte, Bernard voltou a estabelecer a melhor marca: 47s50. E também conquistou o recorde dos 50 m: 21s50. O tempo dos 100 m só foi batido em agosto, em Pequim, quando Eamon Sullivan marcou 47s24. Apesar de, à época, o australiano deter o recorde mundial, a medalha de ouro nos 100 metros em Pequim não parou no pescoço de Sullivan, e sim de Bernard, que venceu o duelo na prova final. Agora, o francês melhora sua marca e, de quebra, retoma a hegemonia. O tempo, contudo, ainda precisa ser homologado pela Federação Mundial de Natação (Fina), porque Bernard utilizava ontem, pela primeira vez, um novo traje desenvolvido pela fabricante de material esportivo francesa Arena. O maiô ainda não foi submetido à inspeção da entidade que, desde o início do ano, adota parâmetros para definir se uma roupa interfere ou não na conquista de resultados. "É um recorde mundial a perigo", afirmou César Cielo (leia ao lado). "Ainda não temos qualquer informação sobre o que a Fina está aceitando."A despeito da espera pela confirmação, Bernard se mostra confiante sobre o futuro. Em entrevista concedida há 15 dias ao Le Monde, o nadador afirmou que seu maior desafio é vencer a prova no Mundial de Roma, em julho. Mira, também, os 50 m e o revezamento 4 x 100 m. "Quero ser campeão do mundo", afirmou. O recordista já havia revelado o objetivo de baixar a marca de 47 s. "Sei que posso nadar mais rápido."Outro desafio de Bernard para manter a hegemonia será superar Michael Phelps, o maior campeão olímpico de todos os tempos, com oito medalhas de ouro. O americano, que ainda cumpre suspensão de três meses por uso de maconha, já revelou seu desejo de disputar provas de velocidade. Apesar da admiração, Bernard não se intimida. "Phelps revolucionou a natação. Ao seu lado, somos apenas garotos. Mas no sprint é diferente. Veremos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.