Fraude põe em xeque o futsal carioca

Uma fraude na categoria fraldinha do futsal do Rio levou o Fluminense a perder o título para o Vasco. Um menino de 10 anos, com certidão de nascimento fraudulenta, jogou todo o campeonato no meio de outras crianças de até 8 anos, o limite de idade dos fraldinhas. Ele destacava-se pelo porte físico e a capacidade de derrubar os adversários em choques normais nas quadras. O Vasco descobriu a farsa e levou o caso à Federação de Futsal do Rio, requerendo os pontos da decisão, ganha pelo Fluminense por 4 a 1, em 20 de julho. A entidade, diante das evidências, acatou o pedido vascaíno.O Fluminense identificou o fraudador - trata-se do pai do menino, que chegou a assinar um documento confirmando a fraude, desculpou-se com os dirigentes do clube e lhes pediu que não levassem o caso adiante. Ele pode ser denunciado pelo Ministério Público por falsidade ideológica. A equipe fraldinha do Tricolor fez bela campanha no campeonato, marcando mais de 50 gols, e seria convidada a participar de um torneio no interior do Estado.Mas o episódio do ´gato fraldinha´ suspendeu o negócio. De acordo com um dirigente de Esporte Amador do Fluminense, o menino ainda desconhece o problema. Ao fraudar o documento do filho, o homem, cujo nome não foi divulgado pelo clube nem pela federação, enviou-o ao Fluminense com uma certidão autenticada, na qual constava o suposto ano de nascimento do garoto: 1995. Mas o Vasco obteve a certidão original, em que se comprovava que o ´fraldinha´ nascera em 1993."Os fraldinhas do Vasco não estão felizes com a decisão, pois sabem que foram campeões por uma casualidade, por uma fraude. Eles gostariam de ter ganho o jogo na quadra", disse o vice-presidente do Vasco, José Mourão.Mais grave ainda é a constatação da federação de que há uma ?gataria? nas diversas categorias do futsal carioca. "É um problema sério, por culpa dos pais, e que precisa ser combatido", afirmou um diretor da entidade.

Agencia Estado,

31 de julho de 2003 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.